Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

Maduro dá ordens expressas para redobrar operações de defesa na fronteira com Colômbia

O chefe de Estado venezuelano, Nicolás Maduro, afirmou, durante a saudação presidencial de fim de ano às Forças Armadas, que ordenou ao Exército do país redobrar a vigilância nos postos fronteiriços com a Colômbia.


Sputnik

"Dei ordens expressas […] para redobrar o esforço operacional com todos os níveis de força que temos, proteger a fronteira com a Colômbia, combater a violência e o crime que vêm de lá e garantir tranquilidade e a paz", declarou Maduro.


Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, durante desfile militar em homenagem ao 16º aniversário da volta do ex-presidente Hugo Chávez ao poder
Nicolás Maduro © AP Photo / Ariana Cubillos

Além disso, ele alegou que o país colombiano não é capaz de defender as suas fronteiras e agradeceu às forças venezuelanas encarregadas da proteção dos limites do país pelos esforços feitos diariamente.

"Um reconhecimento à Guarda Nacional Bolivariana nessa imensa fronteira com a Colômbia de mais de 2.200 quilômetros, todos os dias enfrentando grupos irregulares, grupos paramilitares, enfrentando crimes, tráfico de drogas, todos os males que vêm da Colômbia, por causa de uma oligarquia que é um estado falido na Colômbia e não é capaz de proteger suas fronteiras", comentou.

Durante o discurso anual, Maduro denunciou que as "forças imperialistas" estão atuando em nações fronteiriças da Venezuela com o propósito de desestabilizar o país e de derrubar o presidente.

Perante tais ameaças, o líder venezuelano rogou à população e às Forcas Armadas para permanecerem em alerta frente ao dia em que ele dará início ao novo período de Governo (2019-2025), no dia 10 de janeiro.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas