Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: Brasil poderia se tornar 'vigilante' dos EUA na América Latina

O presidente norte-americano, Donald Trump, referiu a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN. O analista russo Pavel Feldman avaliou a possibilidade de entrada do Brasil na aliança, bem como que papel poderia desempenhar o Brasil no conflito na Venezuela.
Sputnik

Durante a visita oficial do presidente do Brasil Jair Bolsonaro aos EUA, foram discutidos os assuntos internacionais mais importantes, entre eles a cooperação bilateral entre os EUA e o Brasil e a situação na Venezuela.


Uma das declarações mais sensacionais foi a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN, referida pelo presidente dos EUA Donald Trump.

O vice-diretor do Instituto de Estudos Estratégicos e Prognósticos da Universidade Russa da Amizade dos Povos, Pavel Feldman, revelou em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik que os EUA são apenas um dos países da OTAN, há outros países cuja opinião deveria ser levada em conta nesse assunto.

Segundo ele, se o Brasil aderir à OTAN ele vai desempenhar o papel de vigilante d…

Marinha do Irã lança mísseis perto de porta-aviões americano

Navios iranianos efetuaram lançamento de mísseis perto do grupo naval norte-americano liderado por um porta-aviões que na sexta-feira (21) entrou no golfo Pérsico.


Sputnik

Além do porta-aviões USS John C. Stennis, o grupo de ataque também inclui o cruzador de mísseis USS Mobile Bay, os destróieres de mísseis USS Decatur e USS Mitscher e um submarino nuclear de ataque.


Navios de guerra da Marinha do Irã
Navios de guerra do Irã © AP Photo / Fars News Agency, Mahdi Marizad

Durante a entrada do grupo aeronaval da Marinha dos EUA liderado pelo porta-aviões USS John C. Stennis nas águas do golfo Pérsico, cerca de 30 navios do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica seguiram esse grupo naval, informou a agência Associated Press.

Destaca-se que os navios da Marinha estadunidense permanecerão no Oriente Médio por dois meses.

De acordo com o The Wall Street Journal, os EUA enviaram seus navios para essa zona marítima como uma demonstração de força ao Irã.

Anteriormente, uma fonte do jornal explicou que a presença do USS John C. Stennis "fornecerá definitivamente uma diferença positiva" no balanço de forças em caso de ações hostis do Irã nessas águas.

No início de dezembro, a agência Tasnim News informou que o destróier iraniano Sahand, munido com mísseis, havia se juntado à Marinha iraniana no golfo Pérsico. No dia 4 do mesmo mês, o presidente iraniano Hassan Rouhani sinalizou novamente a prontidão de o Irã bloquear o estreito de Ormuz (a faixa marítima mais movimentada do mundo para transporte de petróleo) se Trump interromper o comércio de petróleo da República Islâmica.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas