Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Área militar do governo brasileiro demonstra desconforto com suspensão de investigação do caso Queiroz

Integrantes da área militar do governo demostraram desconforto com o pedido de suspensão da investigação para apurar movimentações financeiras de Fabricio Queiroz consideradas "atípicas" pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).
Por Gerson Camarotti | G1

A avaliação de auxiliares do presidente Jair Bolsonaro é que essa decisão tomada pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), só faz prolongar o desgaste provocado pelo caso.

O ministro Luiz Fux atendeu pedido do deputado estadual e senador eleito Flavio Bolsonaro (PSL-RJ), de quem Queiroz foi assessor. O Coaf apontou movimentação de R$ 1,2 milhão em uma conta bancária de Queiroz durante um ano sem que houvesse esclarecimento.

Para esses auxiliares, foi uma surpresa a solicitação feita por Flávio Bolsonaro para suspender as investigações.

“Ainda não há uma explicação convincente. Enquanto isso não acontecer, o desgaste desse caso vai continuar. Já está demorando demais”, comentou ao blog um auxilia…

Moscou dará resposta adequada caso EUA criem base militar na Ucrânia, diz vice-chanceler

Moscou dará uma resposta adequada se os EUA criarem uma base militar na Ucrânia, declarou o vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Grigory Karasin, em entrevista à Sputnik.


Sputnik

No fim do novembro o jornal russo Izvestia informou, com referência a altos funcionários da Ucrânia, que as autoridades ucranianas estão tentando convencer Washington a criar uma base militar no seu território.


Militares americanos e britânicos durante as manobras internacionais Rapid Trident 2018 na Ucrânia
Militares britânicos e norte-americanos na Ucrânia © Sputnik/ Stringer

"Ouvimos falar sobre isso. Parece que o regime de Kiev já não sabe como provar sua lealdade aos EUA", disse o diplomata russo.

Segundo Karasin, a possível criação de uma base militar dos EUA na Ucrânia "levará inevitavelmente a um maior agravamento da situação na área da segurança e afetará de forma muito negativa as perspectivas de solução do conflito em Donbass".

O vice-chanceler afirmou que, desde 2014, instrutores estadunidenses estão presentes em diversos polígonos ucranianos, onde realizam treinamentos dos militares ucranianos. Além disso, navios da Marinha dos EUA entram frequentemente nos portos ucranianos no mar Negro e participam de exercícios conjuntos com as Forças Armadas ucranianas. No verão de 2017 os militares norte-americanos começaram a criar o Centro de Controle Operacional da Marinha da Ucrânia.

"Em uma palavra, vemos uma já de si excessiva presença militar dos EUA na Ucrânia, que, a propósito, contradiz o décimo artigo dos acordos de Minsk", acrescentou ele.

"A Rússia, por sua vez, será forçada a reagir de forma adequada", sublinhou.

Em 2018 os EUA, Lituânia, Reino Unido e Canadá forneceram armas letais e outros equipamentos militares à Ucrânia no valor de mais de 40 milhões de dólares (R$ 157 bilhões).

A Rússia criticou repetidamente a decisão de fornecer armas à Ucrânia, dizendo que esse passo poderia levar ao agravamento do conflito em Donbass.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas