Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: Brasil poderia se tornar 'vigilante' dos EUA na América Latina

O presidente norte-americano, Donald Trump, referiu a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN. O analista russo Pavel Feldman avaliou a possibilidade de entrada do Brasil na aliança, bem como que papel poderia desempenhar o Brasil no conflito na Venezuela.
Sputnik

Durante a visita oficial do presidente do Brasil Jair Bolsonaro aos EUA, foram discutidos os assuntos internacionais mais importantes, entre eles a cooperação bilateral entre os EUA e o Brasil e a situação na Venezuela.


Uma das declarações mais sensacionais foi a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN, referida pelo presidente dos EUA Donald Trump.

O vice-diretor do Instituto de Estudos Estratégicos e Prognósticos da Universidade Russa da Amizade dos Povos, Pavel Feldman, revelou em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik que os EUA são apenas um dos países da OTAN, há outros países cuja opinião deveria ser levada em conta nesse assunto.

Segundo ele, se o Brasil aderir à OTAN ele vai desempenhar o papel de vigilante d…

Moscou dará resposta adequada caso EUA criem base militar na Ucrânia, diz vice-chanceler

Moscou dará uma resposta adequada se os EUA criarem uma base militar na Ucrânia, declarou o vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Grigory Karasin, em entrevista à Sputnik.


Sputnik

No fim do novembro o jornal russo Izvestia informou, com referência a altos funcionários da Ucrânia, que as autoridades ucranianas estão tentando convencer Washington a criar uma base militar no seu território.


Militares americanos e britânicos durante as manobras internacionais Rapid Trident 2018 na Ucrânia
Militares britânicos e norte-americanos na Ucrânia © Sputnik/ Stringer

"Ouvimos falar sobre isso. Parece que o regime de Kiev já não sabe como provar sua lealdade aos EUA", disse o diplomata russo.

Segundo Karasin, a possível criação de uma base militar dos EUA na Ucrânia "levará inevitavelmente a um maior agravamento da situação na área da segurança e afetará de forma muito negativa as perspectivas de solução do conflito em Donbass".

O vice-chanceler afirmou que, desde 2014, instrutores estadunidenses estão presentes em diversos polígonos ucranianos, onde realizam treinamentos dos militares ucranianos. Além disso, navios da Marinha dos EUA entram frequentemente nos portos ucranianos no mar Negro e participam de exercícios conjuntos com as Forças Armadas ucranianas. No verão de 2017 os militares norte-americanos começaram a criar o Centro de Controle Operacional da Marinha da Ucrânia.

"Em uma palavra, vemos uma já de si excessiva presença militar dos EUA na Ucrânia, que, a propósito, contradiz o décimo artigo dos acordos de Minsk", acrescentou ele.

"A Rússia, por sua vez, será forçada a reagir de forma adequada", sublinhou.

Em 2018 os EUA, Lituânia, Reino Unido e Canadá forneceram armas letais e outros equipamentos militares à Ucrânia no valor de mais de 40 milhões de dólares (R$ 157 bilhões).

A Rússia criticou repetidamente a decisão de fornecer armas à Ucrânia, dizendo que esse passo poderia levar ao agravamento do conflito em Donbass.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas