Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: Brasil poderia se tornar 'vigilante' dos EUA na América Latina

O presidente norte-americano, Donald Trump, referiu a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN. O analista russo Pavel Feldman avaliou a possibilidade de entrada do Brasil na aliança, bem como que papel poderia desempenhar o Brasil no conflito na Venezuela.
Sputnik

Durante a visita oficial do presidente do Brasil Jair Bolsonaro aos EUA, foram discutidos os assuntos internacionais mais importantes, entre eles a cooperação bilateral entre os EUA e o Brasil e a situação na Venezuela.


Uma das declarações mais sensacionais foi a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN, referida pelo presidente dos EUA Donald Trump.

O vice-diretor do Instituto de Estudos Estratégicos e Prognósticos da Universidade Russa da Amizade dos Povos, Pavel Feldman, revelou em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik que os EUA são apenas um dos países da OTAN, há outros países cuja opinião deveria ser levada em conta nesse assunto.

Segundo ele, se o Brasil aderir à OTAN ele vai desempenhar o papel de vigilante d…

Noruega acusa Navantia pelo naufrágio da fragata devido a falha de projeto

O conselho de investigação norueguês culpa a Navantia (construtor naval espanhol) pelo naufrágio da fragata KNM Helge Ingstad (F313) depois que ela colidiu com um petroleiro em 8 de novembro.


Miguel González | El País

MADRI/COPENHAGUE – O Conselho de Investigação de Acidentes da Noruega (AIBN) afirma ter detectado uma falha “crítica” no projeto do navio, entregue pelo estaleiro espanhol em 2009. A Navantia, por outro lado, diz que não recebeu comunicação oficial do relatório nem foi capaz de participar da investigação. Especialistas militares espanhóis questionam a versão norueguesa e enfatizam que o acidente foi causado por negligência.


Fragata norueguesa KNM Helge Ingstad | Reprodução

O apêndice do relatório preliminar do conselho diz que a falha estaria relacionada com a “estanqueidade” da KNM Helge Ingstad e as demais quatro fragatas construídas na primeira década deste século pela Navantia para a Marinha Norueguesa por cerca de 1 bilhão de euros cada.

O conselho sustenta que a falha “não está em conformidade com o padrão exigido de estabilidade contra danos”, e assume que “isso também afeta as outras quatro fragatas da classe Nansen”, deslocando 5.300 toneladas e com 143 metros de comprimento.

A estanqueidade dos compartimentos garante que, no caso de abertura de uma antepara, não há inundação do resto do navio, fazendo com que ele afunde. De acordo com um anexo ao relatório preliminar, a inundação afetou três compartimentos (o quarto do gerador de popa, as cabines da tripulação e os compartimentos de armazenamento). Inicialmente, a tripulação acreditava que o navio poderia permanecer à tona, mas ao descobrir que a água caiu da sala do gerador para o redutor através do vão das hélices e que ela inundou rapidamente, optou por evacuar.



Avarias do casco da KNM Helge Ingstad | Reprodução

“Foi descoberto que a água estava fluindo através do poço para outro compartimento. Eles não eram herméticos”, disse Kristian Haugnes, membro da comissão, em entrevista coletiva, admitindo que a investigação ainda está em fase preliminar e que “as circunstâncias poderiam ser objeto de mais investigações.”

Mais cauteloso foi o chefe da Marinha Norueguesa, o almirante Nils Andreas Stensones, que considerou “prematuro” tirar conclusões sobre as causas do naufrágio.

O acidente, no qual oito dos 136 tripulantes da fragata ficaram levemente feridos, ocorreu na madrugada do dia 8, na costa oeste da Noruega, ao norte da cidade de Bergen, quando o navio retornava à sua base. depois de ter participado no exercício Trident Juncture da OTAN. Embora as circunstâncias do naufrágio não tenham sido esclarecidas, as fontes consultadas por EL PAÍS explicam que a fragata e o navio-tanque, que viram-se de frente para o interior do fiorde, trocaram mensagens antes de colidirem. O capitão do petroleiro disse à fragata guinasse para boreste (à direita), mas ela se recusou a alegar a proximidade da costa (900 metros). Os dois navios mantiveram seu curso sem alterá-lo e, no último momento, a fragata guinou para bombordo (à esquerda), o que precipitou o choque.

A fragata também estava navegando em alta velocidade (17,5 nós) e com o AIS (Automatic Identification System) desligado, apesar de navegar em águas restritas. É, segundo as fontes consultadas, uma negligência grave na manobra do navio. A fragata afundou uma semana depois da colisão, sem todas as tentativas de mantê-la à tona.

O anúncio do relatório do conselho de investigação foi recebido com indiferença pela Navantia. “Não temos comunicação oficial do relatório, não fomos consultados sobre as possíveis causas, nem participamos de nenhum dos procedimentos”, disse uma porta-voz.

“A Navantia ofereceu-se desde o início para colaborar com a Marinha Norueguesa sobre o que fosse necessário. Vamos analisar as circunstâncias e as hipóteses que se tornaram públicas”, acrescentou. Em qualquer caso, de acordo com o estaleiro público, “o projeto cumpre todas as certificações e satisfaz as condições de vedação aplicáveis ​​às embarcações militares”.

Especialistas em acidentes navais expressaram surpresa pelo fato de a comissão ter chegado a essas conclusões antes de fazer a reflutuação do navio e sem o conselho do fabricante. “O eixo pode ter se movido como resultado da colisão, rompendo a estanqueidade do navio, mas seria uma circunstância inesperada, não um problema de projeto”, explicam eles. A violência da colisão foi tal que abriu dois cortes no casco da fragata, um deles com cerca de 40 metros de comprimento – quase um terço do comprimento do navio – o que é o máximo sem comprometer sua flutuabilidade.

A selagem do navio, acrescentam os mesmos especialistas, deve ser verificada antes da entrega, não só pela Navantia, mas pelos inspetores da própria Marinha Norueguesa. Essas fragatas também têm um sistema de fechamento de escotilhas para reforçar a estanqueidade ao navegar em áreas onde há risco de colisão.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas