Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

General brasileiro em forças dos EUA atrapalha laços com Moscou e Pequim, diz especialista

A decisão do Brasil de enviar um oficial para integrar as Forças Armadas dos Estados Unidos deve atrapalhar as relações do país com importantes aliados, como China e Rússia. A avaliação é do especialista em Relações Internacionais Paulo Velasco, que conversou nesta segunda-feira com a Sputnik sobre esse polêmico assunto.
Sputnik

Na última semana, se tornou pública no Brasil a notícia de que o país indicará, até o final do ano, um general para assumir um posto no Comando Sul (SouthCom) dos EUA, que cobre América Central, Caribe e América do Sul, provocando controvérsias.


De acordo com o comandante responsável, o almirante Craig Faller, os interesses norte-americanos na região seriam ameaçados por Rússia, China, Irã, Venezuela, Cuba e Nicarágua, países com os quais o Brasil poderá ter relações prejudicadas por conta dessa situação, conforme acredita Velasco, professor adjunto de Política Internacional do Departamento de Relações Internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (U…

O que permite à Rússia sair vencedora de conflitos internacionais? Jornal francês explica

Rússia consegue sair vencedora, já ao longo de muitos anos, da maioria dos conflitos geopolíticos internacionais e, de acordo com o jornal francês Figaro, esse mérito deve ser atribuído ao presidente russo, Vladimir Putin.


Sputnik

A edição destaca que a excelente e profunda formação acadêmica do líder russo desempenha um papel vital na tomada de decisões políticas e, consequentemente, afeta o rumo exterior do país em geral.


Presidente russo Vladimir Putin participa da cerimônia de entrega das credenciais de embaixadores estrangeiros no Palácio Estatal do Kremlin, junto com o chanceler Sergei Lavrov (à esquerda) e o assessor da presidência, Yuri Ushakov (à direita)
Sergei Lavrov, Vladimir Putin (ao centro) e Yuri Ushakov © Sputnik / Aleksei Druzhinin

Em particular, seus conhecimentos de geografia, do mapa político do mundo e os traços especiais de cada país e de cada povo, com sua cultura única, permitem ao presidente russo atingir o sucesso na arena mundial, destaca o jornal.

Para ilustrar tal ponto de vista, a mídia francesa dá o exemplo do encontro de Putin com o ministro da Agricultura, Aleksandr Tkachev. Quando o ministro começou a falar sobre exportação russa de carne de porco à Indonésia, Putin parou seu relato e apontou para um erro sério. O presidente indicou que se trata de um país maioritariamente muçulmano, onde a maioria de população, ou seja 87%, não consome esse tipo de carne. Portanto, não vale a pena exportá-la a essa região.

Nessa conexão, o Figaro ressalta que, em comparação com outros líderes mundiais, Vladimir Putin percebe a diferença existente entre vários povos em diferentes partes do mundo, o que, por sua vez, lhe permite conduzir uma política bem ponderada.

Ao falar sobre outros líderes nacionais, o jornal sublinha que eles não entendem nada sobre diferenças regionais. Por exemplo, uma vez o presidente estadunidense Donald Trump confundiu a Áustria com a Austrália, enquanto o presidente francês Emmanuel Macron chamou de ilha a Guiana Francesa — um departamento ultramarino da França na costa atlântica da América do Sul.

É evidente que conhecimentos tão fracos de geografia resultam em um desconhecimento absoluto de assuntos geopolíticos cruciais e em desejos de obter benefícios de curta duração.

Na lista de causas que levaram a uma diferença tão significativa na formação de líderes mundiais, o jornal nomeia, em primeiro lugar, os fracos sistemas de ensino no Ocidente que não prestam atenção suficiente a disciplinas importantes como, por exemplo, a geografia.

Em segundo lugar, segundo a mídia, o problema é que a muitos líderes ocidentais falta interesse por essas questões, pois se preocupam só com assuntos econômicos e financeiros ou mesmo com temas ainda mais inúteis.

Tudo isso significa que eles não possuem uma estratégia definida de longo prazo, que os ajudaria a diferenciar os amigos e inimigos, a entender qual é a balanço de forças real entre os Estados e quais as regiões do planeta em que é vital manter o equilíbrio para preservar a paz em todo o mundo.

Não obstante, isso permite explicar por que a Rússia, com sua estratégia bem definida, sai como vencedora da maioria dos conflitos internacionais, resume a edição.

Comentários

Postagens mais visitadas