Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

OTAN diz ter encontrado a chave para vencer defesa da Rússia, indica mídia

A OTAN encontrou as chaves para superar a defesa da Rússia na Crimeia e em Kaliningrado, afirma o chefe da recém-restaurada Segunda Frota dos EUA, o vice-almirante Andrew Lewis, citado pelo jornal Business Insider.


Sputnik

Em particular, os militares dos EUA têm prestado especial atenção à tática das tropas russas, segundo a qual a Rússia está constantemente expandindo a chamada negação de área (A2/AD, na sigla em inglês) ou seja, a negação ou a interdição do acesso de tropas estrangeiras às áreas estrategicamente importantes.


Da esquerda para a direita: corveta Steregushchy, contratorpedeiro Nastoichivy e fragata Admiral Gorshkov estão ancorados na base da frota russa em Baltiysk na região de Kaliningrado, na Rússia. 19 de julho de 2015.
Navios russos © REUTERS / Maxim Shemetov

Segundo antes afirmou o ex-comandante das Forças Terrestres dos EUA na Europa, o potencial da Rússia de bloquear o acesso a pontos estratégicos varia de região para região.

"No entanto, esse potencial da Rússia em Kaliningrado e na Crimeia é mais significativo, visto que lá existem sistemas de defesa antiaérea, defesa antimíssil e antinavio, e também estão deslocados vários milhares de soldados", indicou o alto militar.

Ademais, ele adicionou que, em conjunto com os meios de guerra eletrônica e radares, as possibilidades de deslocação das forças da OTAN nessas regiões podem ser significativamente restringidas.

No entanto, de acordo com o vice-almirante Andrew Lewis, citado pelo jornal, a OTAN sabe como lidar com essa tática dos militares russos.

"Não entrando em detalhes sobre os quais não posso falar, estou seguro de que somos capazes de agir em condições de bloqueio. Sei que nossos porta-aviões podem fazê-lo. Sei que nossa força de superfície também pode. Temos um método claro para atingir isso. Baseia-se em uma manobra física e complexa; sabemos ficar silenciosos quando precisamos ser silenciosos e podemos falar quando é necessário falar", declarou.

Além disso, Lewis acrescentou que durante vários anos, os membros da Aliança Atlântica têm prestado especial atenção a essa questão e conseguiram "um progresso sério".

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas