Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

Parlamento iraquiano pede retirada de tropas dos EUA

Parlamentares iraquianos condenaram a visita surpresa do presidente dos EUA, Donald Trump, às tropas americanas estacionadas no país, pedindo sua retirada total.


Forças Terrestres

Os deputados dos dois maiores blocos parlamentares condenaram a visita de Trump, que não foi arranjada com o governo iraquiano, considerando-a uma “violação da soberania do Iraque”. Eles também marcaram uma data para discutir a evacuação das tropas americanas do Iraque, relatou o Arab48.

Soldado americano no Iraque

Saleh Al-Saadi, chefe de um desses blocos, disse que “Trump precisa conhecer seus limites. A ocupação americana do Iraque acabou”, acrescentando: “Trump se infiltrou no Iraque como se fosse um dos estados americanos”.

Durante sua visita na quarta-feira, Trump passou três horas dentro de uma base militar dos EUA sem falar com nenhuma autoridade iraquiana, falando apenas com o primeiro-ministro iraquiano, Adel Abdel-Mahdi, ao telefone. Trump ressaltou que não tinha planos de retirar as 5.200 tropas americanas estacionadas no país.

Este tópico tem sido muito debatido desde maio, quando os partidários do líder xiita Muqtada Al-Sadr conquistaram o maior número de assentos no parlamento iraquiano. Al-Sadr pediu a retirada das tropas americanas do país, além de limitar o papel do Irã nos assuntos internos do Iraque. Outros políticos iraquianos também começaram a pedir a evacuação das tropas americanas após a derrota do Daesh.

As forças americanas invadiram o Iraque em 2003, derrubando seu presidente Saddam Hussein e apoiando a seita xiita no país. Embora as forças dos EUA tenham saído em 2011, eles retornaram em 2014 a pedido do governo do país, na época pró-EUA, para combater o Daesh.

FONTE: Middle East Monitor

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas