Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA entregam armas modernas a forças curdas da Síria, escreve mídia

Os opositores americanos da retirada das tropas dos EUA da Síria entregaram armas modernas às Unidades de Proteção Popular (YPG), escreveu o jornal turco Yeni Akit, citando fontes locais.
Sputnik

A edição destaca que o fornecimento é referente a um grande número de modernos sistemas de mísseis antitanque Javelin e Tow. Supõe-se que os curdos usem essas armas contra tanques turcos, que logo entrarão em Manbij, no norte da Síria.


Segundo a publicação, as forças especiais turcas estão no momento realizando buscas por esses complexos nesta cidade e, devido a isso, a Turquia está atrasando sua operação militar na referida cidade.

Anteriormente, o presidente turco Recep Tayyip Erdogan havia anunciado que, se os EUA não se retirarem da Síria, Ancara estaria pronta para lançar uma operação no leste do Eufrates, assim como em Manbij, contra as forças de autodefesa dos curdos sírios.

Em meados de dezembro de 2018, o líder americano, Donald Trump, declarou a vitória sobre o grupo de militantes Daesh …

'Peças de museu'? Analista comenta declaração do diplomata dos EUA sobre aviões russos

A frota aérea estratégica dos EUA é constituída basicamente por aviões B-52, aeronaves mais velhas que os Tu-160 russos que o embaixador dos EUA na Colômbia chamou de "peças de museu", assinalou o especialista militar russo Viktor Murakhovsky.


Sputnik

Em 10 de dezembro, dois bombardeiros estratégicos russos Tu-160, um avião de transporte militar An-124 e um avião Il-62 aterrissaram nos arredores de Caracas. Os aviões russos realizaram exercícios de interoperabilidade com a Força Aérea venezuelana nesta semana. O embaixador dos EUA na Colômbia, Kevin Whitaker, disse que "aviões dessa idade não são provocações. Realmente são peças de museu."


Um bombardeiro estratégico Tu-160 da Força Aeroespacial russa
Tupolev Tu-160 Blackjack © Sputnik / Vladimir Sergeev

O especialista militar Viktor Murakhovsky comentou em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik as afirmações do diplomata norte-americano.

"Nos EUA, se falarmos da aviação de longo curso, esta é basicamente constituída até hoje por bombardeiros B-52H. São aviões muito mais antigos, realmente artefatos, se usarmos esta terminologia, do que os Tu-160 russos. O B-52 é mais ou menos da mesma idade que os aviões turboélice Tu-95 que também temos em serviço", destacou.

Segundo o especialista militar, a aviação estratégica é um instrumento dispendioso, que cumpre missões que não exigem renovação frequente da frota. É um meio estratégico que transporta sistemas de armas nucleares e pode fazê-lo por várias décadas, acrescentou Murakhovsky.

O especialista falou também sobre os bombardeiros norte-americanos В-1 Lancer, igualmente presentes na aviação dos EUA, embora em menor número que os B-52. Ambos os aviões podem usar não só armamento estratégico, mas também tático. Por exemplo, os EUA usaram ativamente os B-1 para lançar ataques de bombas no Oriente Médio, no Afeganistão. Os Tu-160 têm sido usados na Síria para atacar alvos terroristas, mas não tão frequentemente.

"Nós testamos os nossos [aviões Tu-160] quanto ao uso de mísseis de cruzeiro em equipamento comum. O armamento, bem como bombardeiros mostraram a sua eficácia e nós não os usámos mais. Nós utilizamos instrumentos especiais para cada tarefa. As tarefas táticas de destruição de alvos na Síria são realizadas por aviões Su-24, Su-34, Su-25, ou seja, por aeronaves da aviação tático-operacional", contou Murakhovsky.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas