Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã desloca sistema russo de defesa S-300 para a costa do golfo Pérsico (VÍDEO)

Uma coluna de caminhões iranianos transportando vários sistemas anti-aéreos russos S-300 Favorit para a costa do golfo Pérsico foi capturada em vídeo por um motorista e postada no YouTube.
Sputnik

O vídeo mostra como caminhões transportam partes dos sistemas antiaéreos e coincide com a escalada de tensão entre os Estados Unidos e o Irã com o envio de um grupo de combate naval dos EUA para a costa iranianas, relata Alarabiya.


Segundo o jornal russo Rossiyiskaya Gazeta, o envio dessas unidades do S-300 para a costa persa responde à crescente presença militar e naval dos Estados Unidos. O artigo também explica que as unidades não viajam sozinhas por via terrestre e fazem isso em caminhões para preservar sua vida útil e garantir a segurança durante a viagem.

Em 13 de maio, o comandante das Forças Aeroespaciais da Guarda Revolucionária Islâmica, Amir Ali Hajizadé, assegurou que o país persa estava pronto para atacar os Estados Unidos devido à presença do referido grupo naval na região.

Hajizadé…

'Peças de museu'? Analista comenta declaração do diplomata dos EUA sobre aviões russos

A frota aérea estratégica dos EUA é constituída basicamente por aviões B-52, aeronaves mais velhas que os Tu-160 russos que o embaixador dos EUA na Colômbia chamou de "peças de museu", assinalou o especialista militar russo Viktor Murakhovsky.


Sputnik

Em 10 de dezembro, dois bombardeiros estratégicos russos Tu-160, um avião de transporte militar An-124 e um avião Il-62 aterrissaram nos arredores de Caracas. Os aviões russos realizaram exercícios de interoperabilidade com a Força Aérea venezuelana nesta semana. O embaixador dos EUA na Colômbia, Kevin Whitaker, disse que "aviões dessa idade não são provocações. Realmente são peças de museu."


Um bombardeiro estratégico Tu-160 da Força Aeroespacial russa
Tupolev Tu-160 Blackjack © Sputnik / Vladimir Sergeev

O especialista militar Viktor Murakhovsky comentou em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik as afirmações do diplomata norte-americano.

"Nos EUA, se falarmos da aviação de longo curso, esta é basicamente constituída até hoje por bombardeiros B-52H. São aviões muito mais antigos, realmente artefatos, se usarmos esta terminologia, do que os Tu-160 russos. O B-52 é mais ou menos da mesma idade que os aviões turboélice Tu-95 que também temos em serviço", destacou.

Segundo o especialista militar, a aviação estratégica é um instrumento dispendioso, que cumpre missões que não exigem renovação frequente da frota. É um meio estratégico que transporta sistemas de armas nucleares e pode fazê-lo por várias décadas, acrescentou Murakhovsky.

O especialista falou também sobre os bombardeiros norte-americanos В-1 Lancer, igualmente presentes na aviação dos EUA, embora em menor número que os B-52. Ambos os aviões podem usar não só armamento estratégico, mas também tático. Por exemplo, os EUA usaram ativamente os B-1 para lançar ataques de bombas no Oriente Médio, no Afeganistão. Os Tu-160 têm sido usados na Síria para atacar alvos terroristas, mas não tão frequentemente.

"Nós testamos os nossos [aviões Tu-160] quanto ao uso de mísseis de cruzeiro em equipamento comum. O armamento, bem como bombardeiros mostraram a sua eficácia e nós não os usámos mais. Nós utilizamos instrumentos especiais para cada tarefa. As tarefas táticas de destruição de alvos na Síria são realizadas por aviões Su-24, Su-34, Su-25, ou seja, por aeronaves da aviação tático-operacional", contou Murakhovsky.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas