Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Diretor de Projetos da Marinha do Brasil diz que Programa Tamandaré não será afetado por cortes no orçamento

Convidado para falar a empresários catarinenses durante a reunião do Comitê da Indústria da Defesa (Comdefesa), da Fiesc, o vice-almirante Petronio Augusto Siqueira de Aguiar, diretor de Projetos da Marinha do Brasil, garantiu na manhã desta quinta-feira que o bloqueio de verbas do governo federal não vai afetar o andamento do projeto de construção de quatro navios da Marinha em Itajaí.
Poder Naval

Ele confirmou que o recurso previsto para a empreitada, de R$ 2,5 bilhões, está contingenciado – mas acredita que isso será revertido no segundo semestre. – Esse projeto não tem volta. O Brasil e a Marinha precisam modernizar a frota – afirmou.

A Marinha foi a principal atingida pelo bloqueio de verbas no setor de Defesa, que soma R$ 13 bilhões. O recurso para as corvetas está com a Emgepron, empresa de projetos da Marinha que negocia os termos do contrato com o consórcio Águas Azuis, vencedor da concorrência pública para construção das embarcações.

O grupo tem entre as consorciadas a alemã Thys…

Pentágono se diz pronto para admitir ter muitos 'criminosos' nas suas tropas

Depois que uma série de terríveis desastres de relações públicas que expôs soldados de elite dos EUA sendo presos por posse de drogas, abuso, estupro e assassinato, o Pentágono está reprimindo questões disciplinares em seu Comando de Operações Especiais, segundo um novo relatório.


Sputnik

Com "alegações de falta grave" acumulando-se altas demais para serem ignoradas após duas décadas de guerra, o general Raymond "Tony" Thomas, chefe do Comando de Operações Especiais, e Owen West, chefe de Operações Especiais e Conflito de Baixa Intensidade do Pentágono, esboçaram um ambicioso plano de 90 dias para descobrir como o corpo de elite militar se perdeu.


Exército dos EUA
© AP Photo / Mindaugas Kulbi

O primeiro de seu tipo, a avaliação profissional pretende "rever e reforçar os padrões éticos e de conduta", segundo documentos adquiridos pelo jornal The Washington Times.

"O primeiro passo em qualquer programa de tratamento é admitir que você tem um problema", disse uma autoridade do Comando de Operações Especiais. "Operadores especiais querem ser conhecidos pelas vastas realizações e sacrifícios da equipe em defesa de nossa nação, não pelos erros das maçãs podres", acrescentou.

E há muitas maçãs podres. Somente no 7º Grupo de Forças Especiais, no ano passado, policiais foram presos por tentarem contrabandear cocaína para fora da Colômbia, estuprarem duas meninas em sua casa perto da Base Aérea de Eglin, matando um cônjuge e espancando uma esposa e um filho.

O estado deplorável da disciplina militar preocupou o Congresso o suficiente para inserir uma provisão na última lei de autorização de defesa, instruindo o secretário da Defesa, Jim Mattis, a rever os padrões éticos e profissionais da tropa. O deputado democrata Jackie Speier também patrocinou a legislação no ano passado para exigir que os chefes de operações especiais do Pentágono realizem uma revisão depois de ouvirem uma reunião das forças especiais, na qual soldados foram advertidos a restringir o uso generalizado de drogas ilícitas.

Dois membros da famosa tropa de elite SEAL Team 6 enfrentam acusações de homicídio — bem como conspiração, trote, arrombamento e obstrução da justiça — relacionadas à morte do sargento da Polícia Militar do Exército, Logan Melgar, no ano passado no Mali, onde ele teria sido sufocado até a morte em retaliação por sua ameaça de ir a público com informações de que eles estavam se apropriando de fundos destinados a operações de coleta de informações.

O militar Edward Gallagher é acusado de esfaquear um detento do Daesh até a morte no Iraque depois que outros membros de sua equipe trataram os ferimentos do homem. Gallagher também é acusado de assassinato premeditado e ataque agravado por atirar em civis no Iraque, e cerca de 20 outros SEALs e oficiais da Marinha estão implicados no caso.

O major do Exército, Mathew Golsteyn, pode enfrentar a pena de morte pelo assassinato de um suposto bombista afegão que ele acredita ser responsável pela morte de dois de seus colegas. Golsteyn confessou o crime em uma entrevista ao polígrafo da CIA, mas insiste que ele não fez nada de errado. Sua família pediu perdão ao presidente dos EUA, Donald Trump.

De acordo com o general Thomas, a análise de desempenho e ética "estudará a correlação entre trauma operacional e saúde comportamental", particularmente se o estresse de combate prolongado influenciou qualquer um dos erros cometidos pelos homens. Com os EUA presos em guerras perpétuas — em particular, a 'Guerra ao Terror' nas últimas duas décadas — não é de admirar que mesmo as forças armadas da elite estejam mostrando desgaste.

E, à medida que os números de recrutamento vacilam, a barra de estar mentalmente preparada para o dever se arrasta para baixo. O Pentágono agora está autorizando renúncias de recrutas com histórico de autoflagelação, abuso de substâncias e transtorno bipolar; bem como a transferência de soldados que ainda lidam com transtorno-pós-traumático para zonas de guerra como o Afeganistão e o Iraque — possivelmente se preparando para novos escândalos ligados a abusos por parte de militares instáveis.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas