Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Putin ameaça retaliar se EUA instalarem mísseis na Europa

Em seu discurso sobre o estado da nação, presidente russo faz ataques a Washington e promete apontar seu arsenal para os Estados Unidos e para o continente europeu se mísseis americanos atravessarem o Atlântico.
Deutsch Welle

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, alertou nesta quarta-feira (20/02) que seu país responderá a um possível envio de mísseis americanos à Europa, fazendo com que não apenas os países que receberem esses armamentos se tornem alvos, mas também os Estados Unidos.


Em seu discurso anual sobre o estado da nação em Moscou, Putin elevou o tom ao comentar uma nova e potencial corrida armamentista. Ele afirmou que a reação russa a um possível envio seria rigorosa e que as autoridades em Washington – algumas das quais estariam obcecadas com o "excepcionalismo" americano – deveriam calcular os riscos antes de tomar qualquer medida.

"É o direito deles de pensar da forma que quiserem. Mas eles sabem fazer cálculos? Tenho certeza que sabem. Deixemos que eles cal…

Poroshenko acusa Rússia de planejar invasão de duas cidades ucranianas

Recentemente, o presidente ucraniano declarou que a Rússia teria planos de invadir duas cidades ucranianas, Berdyansk e Mariupol, para garantir uma rota terrestre de Donbass à Crimeia.


Sputnik

Entretanto, a declaração de Poroshenko não contém provas ou argumentos reais sobre os planos citados, fazendo com que o deputado da Duma Federal da Rússia, Mikhail Sheremet, considerasse a declaração como algo "absurdo".


Pyotr Poroshenko, presidente da Ucrânia (foto de arquivo)
Pyotr Poroshenko © Foto : Serviço de imprensa do presidente da Ucrânia

Sheremet afirmou que a declaração do líder ucraniano não passa de um absurdo, e que os planos citados existem apenas na "imaginação inflamada" de Poroshenko, que está tentando passar uma imagem negativa da Rússia, sem qualquer evidência concreta sobre tais planos, enfatizando que o único fato relevante é que a Rússia jamais desistirá de seus territórios, contudo, ela nunca vai pretender invadir outros territórios.

"Por isso, Poroshenko deve considerar todas suas ações antes de planejar novas provocações contra a Rússia, além de parar de culpar a Rússia pelos seus próprios fracassos internos no país […]", ressaltou Sheremet.

Vale ressaltar que o conflito no Leste da Ucrânia entre as autoproclamadas repúblicas de Donetsk e Lugansk e as autoridades ucranianas já matou mais de 10 mil pessoas desde abril de 2014.

O acordo de paz assinado em Minsk em 2015 ajudou a reduzir as hostilidades, mas os confrontos continuam e as tensões têm sido elevadas nas últimas semanas após provocações da Marinha ucraniana, quando três navios seus — Berdyansk, Nikopol e Yany Kapu — atravessaram a fronteira da Rússia, no dia 25 de novembro, violando os artigos 19 e 21 da Convenção da ONU sobre direito marítimo.

Comentários

Postagens mais visitadas