Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Merkel: Esforços pelo desarmamento devem incluir EUA, Rússia, UE e China

A declaração da chanceler alemã ocorre em meio a um impasse entre Moscou e Washington, depois que os EUA anunciaram a suspensão do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF).
Sputnik

"O desarmamento é algo que preocupa a todos nós e é claro que ficaríamos felizes se essas conversas fossem realizadas não apenas entre os Estados Unidos, Europa e Rússia, mas também com a China", afirmou Angela Merkel na Conferência de Segurança de Munique, no sábado.


Comentando o assunto, o Ministro da Economia e Energia da Alemanha, Peter Altmaier, observou que o término do acordo poderia levar a uma nova corrida armamentista.

No início de fevereiro, Washington disse que estava suspendendo as obrigações previstas sob o Tratado INF. A Rússia respondeu da mesma maneira. Os EUA disseram que sairiam do tratado em seis meses, a menos que a Rússia voltasse a cumprir o acordo, mas Moscou refuta as alegações de violação do.

Washington também se mostrou favorável a um novo texto envolvendo t…

Poroshenko colocou mundo à beira da guerra, diz líder parlamentar russo

O presidente da Duma (parlamento russo), Vyacheslav Volodin, afirmou que o líder ucraniano, Pyotr Poroshenko, realizou uma provocação nas águas territoriais da Rússia e, de fato, colocou o mundo à beira de uma guerra.


Sputnik

"A tensão que está sendo criada no mundo deve ser qualificada. Nós não entendemos por que as ações do presidente da Ucrânia hoje permanecem sem essa qualificação", disse Volodin durante reunião.


Presidente ucraniano Pyotr Poroshenko, 14 de maio de 2014
Pyotr Poroshenko © AFP 2018 / PATRIK STOLLARZ

"De fato, Poroshenko colocou o mundo à beira da guerra, impondo a lei marcial e colocando as tropas em prontidão de combate. Ele fez isso para preservar seu poder", complementou.

No decorrer do encontro na terça-feira (4) com o parlamentar lituano Rolandas Paksas, Volodin salientou que a provocação da Ucrânia nas águas russas "mostra mais uma vez que medidas uma pessoa pode tomar, com o apoio de Washington, para preservar seu próprio poder".

"Isso diz respeito a todos nós, todos os que vivem no lar europeu, mas todos estão calados", disse o parlamentar russo.

No dia 25 de novembro, três navios da Marinha Ucraniana (Berdyansk, Nikopol e Yany Kapu) juntamente com sua tripulação foram detidos por violarem a fronteira nacional da Rússia, infringindo os artigos 19 e 21 da Convenção da ONU sobre o direito marítimo. Na sequência, o parlamento da Ucrânia aprovou a introdução da lei marcial (proposta por Poroshenko) por 30 dias nas regiões do país situadas ao longo da fronteira com a Rússia, bem como ao longo da costa do mar Negro e do mar de Azov.

O incidente foi qualificado pelo presidente russo Vladimir Putin como provocação, tendo ele observado que entre os membros da tripulação dos navios ucranianos infratores havia dois membros do Serviço de Segurança da Ucrânia (SBU).

Segundo o líder russo, a provocação no mar Negro está associada à baixa popularidade do presidente da Ucrânia na véspera das eleições no país.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas