Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: Brasil poderia se tornar 'vigilante' dos EUA na América Latina

O presidente norte-americano, Donald Trump, referiu a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN. O analista russo Pavel Feldman avaliou a possibilidade de entrada do Brasil na aliança, bem como que papel poderia desempenhar o Brasil no conflito na Venezuela.
Sputnik

Durante a visita oficial do presidente do Brasil Jair Bolsonaro aos EUA, foram discutidos os assuntos internacionais mais importantes, entre eles a cooperação bilateral entre os EUA e o Brasil e a situação na Venezuela.


Uma das declarações mais sensacionais foi a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN, referida pelo presidente dos EUA Donald Trump.

O vice-diretor do Instituto de Estudos Estratégicos e Prognósticos da Universidade Russa da Amizade dos Povos, Pavel Feldman, revelou em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik que os EUA são apenas um dos países da OTAN, há outros países cuja opinião deveria ser levada em conta nesse assunto.

Segundo ele, se o Brasil aderir à OTAN ele vai desempenhar o papel de vigilante d…

Presença ilegal dos EUA na Síria visa desmembrar soberania do país, diz chancelaria russa

Rússia acredita que a presença ilegal dos EUA na Síria tem o propósito de desmembrar a soberania do país, disse a representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova.


Sputnik

"A crescente preocupação é causada pelas atividades duvidosas da coalizão internacional liderada pelos EUA na Síria. Continua-se a ocupação ilegal da zona de 55 quilômetros em torno da base militar de Al-Tanf, onde os americanos já atuam como proprietários", falou Zakharova, durante reunião na quarta-feira (5).


As forças dos EUA na sede da Unidade de Proteção do Povo Curdo (YPG) perto de Malikiya, na Síria, em 25 de abril de 2017 (imagem referencial)
Militares dos EUA na Síria © REUTERS / Rodi Said

Segundo a porta-voz da chancelaria russa, "em um contexto mais amplo, o objetivo da presença ilegal dos EUA, é tentar jogar a 'carta curda'" na região do Eufrates para provocar o desmembramento típico da soberania do país sírio, independente das "declarações oficiais dedicadas ao comprometimento com a unidade e a integridade territorial da Síria".

Na noite de 3 de dezembro, foram realizados vários ataques com foguetes nas posições das tropas do governo sírio. Os EUA afirmam que o ataque foi supostamente realizado nos locais de militantes do grupo terrorista Daesh (proibido na Rússia e em vários outros países), mas a mídia oficial síria nega isso, afirmou Zakharova.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas