Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA vão suspender Tratado INF se Rússia não cumprir acordo, diz vice-secretário de Estado

Os EUA vão suspender suas obrigações no Tratado INF, que trata a respeito armas nucleares de médio alcance, no dia 2 de fevereiro se a Rússia não apresentar provas de que está cumprindo o acordo, disse o vice-secretário de Estado.
Sputnik

Em outubro, o presidente dos EUA anunciou que seu país abandonaria o Tratado INF, assinado pelos Estados Unidos e pela União Soviética em 1987.


Trump argumentou que Moscou estava desenvolvendo mísseis que violam esse pacto.

Em 4 de dezembro, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse que Washington suspenderia sua adesão ao INF no prazo de 60 dias se a Rússia não voltasse a cumprir suas obrigações.

No entanto, a Rússia nega categoricamente todas as acusações. O líder russo, Vladimir Putin, declarou que Moscou se opõe à violação do Tratado INF, mas responderá se isso acontecer.

'Presença militar dos EUA na Síria dificulta luta antiterrorista', diz diplomacia russa

A representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, declarou nesta quinta-feira (13) que a presença militar dos EUA na Síria não ajuda, mas dificulta a luta contra o terrorismo no país.


Sputnik

Em 12 de dezembro, o comissário especial dos EUA na coalizão internacional contra o Daesh (auto-intitulado Estado Islâmico, proibido na Rússia e outros países), Brett McGurk, declarou que atualmente os EUA e seus aliados enfrentam dificuldades na luta contra os terroristas na Síria.


Resultado de imagem para presença militar dos EUA na Síria
Militares dos EUA no norte da Síria © AP Photo / Hussein Malla

A representante da chancelaria russa enfatizou que tais declarações buscam justificar a presença ilegal armada dos Estados Unidos.

"De acordo com as estimativas russas, [a presença americana] não apenas não responde aos interesses da eliminação final dos terroristas internacionais na Síria, mas também se torna um obstáculo real para atingir esse objetivo", disse Maria Zakharova em entrevista coletiva.

A Síria vive desde março de 2011, um conflito no qual as tropas do governo enfrentam facções armadas da oposição e grupos terroristas.

Os EUA intervieram no conflito sírio em setembro de 2014, liderando uma coalizão internacional que começou a bombardear as posições de grupos terroristas sem o consentimento de Damasco.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas