Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Qual a única condição em que Rússia abandonaria mísseis 9M729 que preocupam tanto EUA?

Os Estados Unidos apelaram a que a Rússia descarte o míssil 9M729 ou que o modifique, pois acreditam que seu alcance viola o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário. Analista militar russo explicou por que a Rússia não precisa alterar o projétil e indicou a única condição sob a qual o país poderia abandoná-lo.


Sputnik

A vice-secretária de Estado dos EUA para Controle de Armas e Segurança Internacional, Andrea Thompson, afirmou recentemente que o alcance do míssil russo 9M729 é de entre 500 e 5.500 quilômetros (SSC-8, na classificação ocidental), violando o Tratado INF, apelando a que Rússia desista dessa arma ou a modifique.


Lançamento de mísseis Bulava a partir do submarino Yuri Dolgoruky no mar Branco
Lançamento do míssil Bulava © Sputnik / Ministério da Defesa da Rússia

Em comentário ao serviço russo da Rádio Sputnik, o especialista em ciências militares Konstantin Sivkov sublinhou que a Rússia não tem nenhumas razões para abandonar essa arma porque esta não é abrangida pelas cláusulas do tratado.

O analista lembrou que os Estados Unidos possuem no território europeu sistemas de lançamento de mísseis MK 41 que podem ser usados inclusive para lançar mísseis de cruzeiro do tipo Tomahawk e assim violam de fato o tratado.

"Não temos motivos para tirar do serviço estes mísseis — eles têm um alcance menor que 400 quilômetros. Já os norte-americanos devem abandonar os MK 41, retirá-los da Europa. Mas se os mísseis são um assunto tão sensível para os EUA, acho que poderíamos descartá-los sob condição de que os norte-americanos desistam do posicionamento na Europa dos MK 41", concluiu o especialista.

Anteriormente, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse que a Rússia tem dois meses para que "retorne ao cumprimento" do Tratado INF. Ele acrescentou que, em caso contrário, Washington se retirará do tratado.

Em resposta, o presidente russo Vladimir Putin destacou que os EUA não apresentaram nenhumas provas da violação do acordo por Moscou. O líder russo sublinhou que a declaração de Pompeo surgiu tarde, pois primeiro Washington anunciou sua intenção de se retirar do Tratado INF e só depois começou a buscar justificativas.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas