Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

'Queremos que a Venezuela volte à democracia', diz Bolsonaro a TV dos EUA

Em entrevista à Fox News, o presidente também defendeu o muro para separar EUA do México. Nesta terça, ele vai se encontrar com Donald Trump.
Por G1

O presidente Jair Bolsonaro disse em entrevista à TV norte-americana na madrugada desta terça-feira (19) que a Venezuela estará no centro das discussões durante o encontro com o presidente dos EUA, Donald Trump, na Casa Branca, nesta tarde.

Ao canal Fox News, Bolsonaro reafirmou que o presidente norte-americano mantém "todas as opções na mesa"em relação à Venezuela. "Nós não podemos falar em todas as possibilidades, mas o que for possível de forma diplomática", disse Bolsonaro, segundo tradutor da emissora.

A entrevista foi ao ar com tradução simultânea, e em alguns trechos não foi possível ouvir o que o presidente respondeu. Bolsonaro disse que o Brasil é o país mais interessado em pôr fim ao governo de Nicolás Maduro.

O presidente afirmou que o governo brasileiro está alinhado ao de Trump. "Hoje temos nova ideologia,…

Rússia denuncia perigosa intrevenção ocidental nos Balcãs

A Rússia denunciou hoje a perigosa intervenção da União Européia (UE) e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) nos assuntos internos dos países balcânicos.


Prensa Latina

Moscou - A Rússia manifesta sua preocupação pelo aumento dos esforço da OTAN e da UE para a assimilação da região balcânica, indicou o ministro de Assuntos Exteriores, Serguei Lavrov.

Sergei Lavrov | Reprodução

Tudo isso leva à formação de novas linhas divisórias e à instabilidade da própria Europa, considerou Lavrov, em declarações ao jornal grego Efimerida t sindakton.

As nações balcânicas são colocadas perante a falsa disjuntiva de estar com Moscou, por um lado, ou com Washington e Bruxelas, pelo outro, afirmou o diplomata russo, em alusão ao caso da Macedônia e Montenegro, candidatos a fazer parte da OTAN.

Essas ações só levam a uma 'maior instabilidade da arquitectura de segurança da Europa, ao aumento da tensão e ao aparecimento de novas linhas divisórias', declarou o ministro russo.

Assim, o regime de protetorado imposto à república ex-yugoslava de Bósnia e Herzegóvina, onde rege um complicado sistema de presidência rotatória de suas três grandes comunidades, impede o desenvolvimento da região, considerou.

O representante especial da UE para Bósnia e Herzegóvina estabelece um regime de protetorado que impede o processo de reconciliação e o cumprimento do acordo de paz, apesar do fato que esse funcionário público deveria ser a garantia desses processos, apontou.

Agora pretendem deslegitimar as eleições realizadas na Bósnia e, principalmente, criar um estado de opinião que coloque em dúvida a vitória do líder dos sérvio-bósnios Miroslav Dodic, declarou Lavrov.

O representante especial e enviado da UE tem direito a anular decisões dos órgãos executivos e legislativos de todas as instâncias da Bósnia e Herzegóvina.

Além disso, tal enviado da UE pode destituir funcionários públicos de qualquer nível, incluindo membros do parlamento e o presidente da República Srpska. Essas decisões de nenhuma forma podem ser revogadas.

Especialistas recordam que nos acordos de Dayton, assinados em 1995 para acabar com o conflito na referida região entre sérvios, croatas e muçulmanos bósnios, em nenhum momento se falava de tais prerrogativas, que foram estabelecidas depois.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas