Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Fuzileiros Navais do Brasil e dos EUA ratificam acordo de cooperação

Diálogo conversou com o Contra-Almirante (FN) da Marinha do Brasil (MB) Nélio de Almeida para conhecer detalhes dessa parceria
Por Marcos Ommati | Diálogo Américas | Poder Naval

Criar mais oportunidades de intercâmbio de conhecimento e treinamento combinado entre os Fuzileiros Navais do Brasil e dos Estados Unidos. Este é o objetivo principal de um plano de cinco anos ratificado em fevereiro de 2019 entre os representantes de ambas as forças, o Contra-Almirante (FN) da Marinha do Brasil Nélio de Almeida, comandante do Desenvolvimento Doutrinário do Corpo de Fuzileiros Navais (CFN) do Brasil e presidente nacional da Associação de Veteranos desta força, e o Contra-Almirante Michael F. Fahey III, comandante do Corpo de Fuzileiros Navais Sul dos EUA (MARFORSOUTH, em inglês). O C Alte Nélio recebeu Diálogo em seu escritório na Ilha do Governador, Rio de Janeiro, para dar detalhes do acordo e conversar sobre outros temas de interesse das marinhas do Brasil e de outros países da região e dos E…

Rússia desconfia da saída de tropas dos EUA da Síria

O governo da Rússia não tem plena confiança na saída das tropas dos Estados Unidos da Síria e prefere esperar os fatos antes de fazer avaliações, anunciou nesta segunda-feira o vice-ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Ryabkov.


EFE

Moscou - "As palavras do presidente (dos EUA, Donald) Trump sobre a retirada da Síria, assim como outras afirmações feitas pelos representantes dos Estados Unidos, só vemos como uma declaração. As avaliações virão depois", disse o número dois da diplomacia russa em entrevista à agência "Interfax".


Tropas americanas na Síria em foto de 2017. EFE/ Youssef Rabie Youssef
Tropas americanas na Síria com terroristas, em comboio, em foto de 2017. EFE/ Youssef Rabie Youssef

Ryabkov explicou que, por enquanto, a Rússia não vê "nada novo" na política adotada pelos Estados Unidos em relação ao território sírio.

Na semana passada, o presidente americano proclamou a derrota do grupo jihadista Estado Islâmico na Síria e anunciou a retirada do contingente americano que está no país árabe como parte de uma coalizão internacional.

Segundo o vice-ministro russo, os EUA entrelaçaram a presença na Síria com "um monte de interesses" e encontrará "milhares de razões e pretextos" para os seus planos sobre a saída.

"Mesmo vendo pela televisão ou pelo Youtube o último veículo com a bandeira dos Estados Unidos deixando a Síria, pensarei duas vezes em acreditar ou não", comentou.

De acordo com Ryabkov, caso que a retirada realmente seja confirmada, será um passo "muito significativo e sólido que contribuirá para a melhoria da imagem da política externa dos Estados Unidos".

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas