Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá; ex-diplomata canadense é preso na China

Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Fiança estipulada fixada em US$ 7,5 milhões.
Por G1

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta nesta quarta-feira (12) depois de passar 11 dias presa no Canadá.

A executiva teve aceito o pedido de liberdade condicional, por um juiz canadense. O valor da fiança foi fixado em 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões).

Meng saiu da prisão poucas horas depois da ordem do juiz, informou o canal Global News.

"O risco de que não se apresente perante o tribunal (para uma audiência de extradição) pode ser reduzido a um nível aceitável, impondo as condições de fiança propostas por seu assessor", disse o juiz, aplaudido na sala do tribunal pelos partidários da empresa chinesa, informa a France Presse.

As condições de libertação incluem a entrega de seus dois passaportes, que permaneça em uma de suas residências de Vancouver e use tornozeleira eletrônica. Além dis…

Rússia exige investigação de ataques aéreos da OTAN no Afeganistão

Moscou exige uma investigação completa dos ataques aéreos da coalizão liderada pela OTAN em províncias afegãs e levar os responsáveis ​​à justiça. A informação foi divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores da Rússia nesta segunda-feira (3).


Sputnik

De acordo com a chancelaria, os ataques aéreos na província de Helmand mataram pelo menos 23 pessoas e feriram três civis, enquanto as ações militares da coalizão em Paktia mataram oito e feriram quatro civis, elevando o número de incidentes semelhantes para pelo menos cinco na segunda quinzena de novembro.


Soldado da OTAN no Afeganistão, foto de arquivo
Tropa da OTAN no Afeganistão © AP Photo / Massoud Hossaini

"A situação causa profunda preocupação. Essa falta criminosa de profissionalismo levanta sérias questões sobre as atividades das tropas da OTAN no Afeganistão. Até onde podemos ver, o aumento observado nas baixas está diretamente relacionado à decisão norte-americana anunciada anteriormente de intensificar sua atividade militar no Afeganistão", disse o ministério em um comunicado.

"Exigimos que uma investigação completa dos incidentes acima mencionados seja realizada e que os responsáveis ​​sejam levados à justiça", destacou a diplomacia russa.

A missão Apoio Resoluto da OTAN no Afeganistão teve início em 2015 e inclui mais de 13 mil militares que treinam e assessoram as forças de segurança afegãs no combate a terroristas, em primeiro lugar ao Talibã (proibido na Rússia).

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas