Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: Brasil poderia se tornar 'vigilante' dos EUA na América Latina

O presidente norte-americano, Donald Trump, referiu a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN. O analista russo Pavel Feldman avaliou a possibilidade de entrada do Brasil na aliança, bem como que papel poderia desempenhar o Brasil no conflito na Venezuela.
Sputnik

Durante a visita oficial do presidente do Brasil Jair Bolsonaro aos EUA, foram discutidos os assuntos internacionais mais importantes, entre eles a cooperação bilateral entre os EUA e o Brasil e a situação na Venezuela.


Uma das declarações mais sensacionais foi a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN, referida pelo presidente dos EUA Donald Trump.

O vice-diretor do Instituto de Estudos Estratégicos e Prognósticos da Universidade Russa da Amizade dos Povos, Pavel Feldman, revelou em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik que os EUA são apenas um dos países da OTAN, há outros países cuja opinião deveria ser levada em conta nesse assunto.

Segundo ele, se o Brasil aderir à OTAN ele vai desempenhar o papel de vigilante d…

Saída de Mattis pressiona Trump não tirar tropas dos EUA da Síria, diz ex-oficial da CIA

A decisão do presidente Donald Trump de retirar todas as tropas norte-americanas do norte da Síria, onde apoiaram rebeldes curdos, já desencadeou uma cruzada política para forçá-lo a reverter a medida, disse o oficial aposentado da CIA, Phil Giraldi, à Sputnik.


Sputnik

"Isso significa que a intensa pressão do establishment para reverter a decisão de Trump sobre a Síria já começou", revelou Giraldi, que também serviu na contra-inteligência do Exército dos EUA.


Militares americanos e rebeldes do Maghaweer al-Thawra, apoiado pelos EUA, em Al Tanf, no sul da Síria
Terroristas sírios e militares dos EUA na base norte-americana na Síria © AP Photo / Hammurabi's Justice News

Trump anunciou nesta semana planos de retirar 2.000 soldados norte-americanos do norte da Síria, onde apoiaram rebeldes curdos nas Forças Democráticas Sírias (SDF). Ele também ordenou a retirada de cerca de metade dos 14 mil militares dos EUA no Afeganistão, de acordo com relatos da mídia.

As retiradas planejadas — que têm a oposição de muitos republicanos e democratas no Congresso — provocaram a renúncia do secretário de Defesa James Mattis na quinta-feira.

A mídia norte-americana também está unida em se opor aos esforços de Trump para reduzir as tensões no Oriente Médio, observou Giraldi, um membro da Veteran Intelligence Professionals for Sanity, formado por ex-funcionários da CIA, NSA, FBI, inteligência militar e outras agências dos EUA.

"A mídia de hoje foi toda hostil, assim como a turma tagarelice e os especialistas. Os neoconservadores já estão a bordo e testemunham a opinião dos editores", disse Giraldi.

Nas próximas semanas, a pressão sobre o presidente para reverter sua decisão de retirada continuará a se intensificar, previu Giraldi.

"Haverá muito, muito mais vindo de todas as direções para incluir grande parte do Partido Republicano e todos os amigos de Israel", comentou.

Trump não tinha a experiência política e habilidade para resistir às pressões que estava prestes a enfrentar na questão, Giraldi advertiu.

"A habilidade de Trump em perseverar tem que ser questionada, já que ele não tem a habilidade política de reunir todos os elementos que acreditam, como eu, que foi a decisão certa", completou.

Philip Giraldi é hoje diretor executivo do Conselho do Interesse Nacional, um grupo que defende políticas governamentais mais imparciais no Oriente Médio.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas