Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Diretor de Projetos da Marinha do Brasil diz que Programa Tamandaré não será afetado por cortes no orçamento

Convidado para falar a empresários catarinenses durante a reunião do Comitê da Indústria da Defesa (Comdefesa), da Fiesc, o vice-almirante Petronio Augusto Siqueira de Aguiar, diretor de Projetos da Marinha do Brasil, garantiu na manhã desta quinta-feira que o bloqueio de verbas do governo federal não vai afetar o andamento do projeto de construção de quatro navios da Marinha em Itajaí.
Poder Naval

Ele confirmou que o recurso previsto para a empreitada, de R$ 2,5 bilhões, está contingenciado – mas acredita que isso será revertido no segundo semestre. – Esse projeto não tem volta. O Brasil e a Marinha precisam modernizar a frota – afirmou.

A Marinha foi a principal atingida pelo bloqueio de verbas no setor de Defesa, que soma R$ 13 bilhões. O recurso para as corvetas está com a Emgepron, empresa de projetos da Marinha que negocia os termos do contrato com o consórcio Águas Azuis, vencedor da concorrência pública para construção das embarcações.

O grupo tem entre as consorciadas a alemã Thys…

Think tank dos EUA alerta que navios americanos perderiam batalha com Rússia ou China

A Marinha dos EUA corre o risco de perder sua superioridade por enfrentar dificuldades em se opor "aos desafios lançados por grandes potências como a China e a Rússia", informou um relatório elaborado pelo Centro de Análise Estratégica e Orçamentária (CSBA, na sigla em inglês).


Sputnik

Um novo relatório do CSBA considera as perspectivas da Marinha dos EUA em um ambiente em mudança e revela que sem a capacidade de apoiar novas missões, os porta-aviões e seus aviões "provavelmente teriam seguido o caminho dos navios encouraçados e deixado a frota há décadas".


Porta-aviões norte-americano John C. Stennis
Porta-aviões norte-americano USS John C. Stennis © AFP 2018 / KIM JAE-HWAN

Os autores do relatório avaliaram as possíveis ameaças futuras e examinaram a estratégia militar dos EUA, bem como as capacidades do país, alertando que, se as atuais estratégias naval e de defesa marítima não forem transformadas, a frota estadunidense não seria capaz de obter vantagem em uma batalha contra navios militares chineses ou russos.

O relatório recomenda a modernização dos esquadrões embarcados dos porta-aviões (CVWs, na sigla em inglês), aos quais faltam "alcance, resistência, capacidade de sobrevivência e especialização para realizar os conceitos operacionais necessários para derrotar as grandes potências militares".

Analisando como evoluíram as capacidades militares norte-americanas e soviéticas durante a Guerra Fria e no período pós-Guerra Fria, os autores concluíram que, embora os EUA "não tenham enfrentado um adversário semelhante" nos anos que se seguiram à Guerra Fria, a situação atual mudou.

"Contudo, a configuração atual dos CVW não é adequada para as táticas que as forças navais dos EUA precisarão de empregar contra poderosos adversários, como a China e a Rússia, e potências regionais com capacidades melhoradas, como a Coreia do Norte e o Irã", informa o relatório.

Os autores sublinham que os sistemas de defesa antimísseis, "incluindo armas de energia dirigida e interceptores de curto alcance", que estão sendo desenvolvidos pelo Departamento de Defesa dos EUA, não serão suficientes em caso de potenciais lançamentos de mísseis chineses e russos.

Sugerindo diferentes composições da força naval, os pesquisadores admitem que seu plano alternativo "será mais caro" do que o que existe atualmente, porém, ele seria necessário para preservar a relevância da frota dos EUA.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas