Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: Brasil poderia se tornar 'vigilante' dos EUA na América Latina

O presidente norte-americano, Donald Trump, referiu a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN. O analista russo Pavel Feldman avaliou a possibilidade de entrada do Brasil na aliança, bem como que papel poderia desempenhar o Brasil no conflito na Venezuela.
Sputnik

Durante a visita oficial do presidente do Brasil Jair Bolsonaro aos EUA, foram discutidos os assuntos internacionais mais importantes, entre eles a cooperação bilateral entre os EUA e o Brasil e a situação na Venezuela.


Uma das declarações mais sensacionais foi a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN, referida pelo presidente dos EUA Donald Trump.

O vice-diretor do Instituto de Estudos Estratégicos e Prognósticos da Universidade Russa da Amizade dos Povos, Pavel Feldman, revelou em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik que os EUA são apenas um dos países da OTAN, há outros países cuja opinião deveria ser levada em conta nesse assunto.

Segundo ele, se o Brasil aderir à OTAN ele vai desempenhar o papel de vigilante d…

Turquia propôs aos EUA para examinarem sistemas russos S-400, diz mídia

A Turquia propôs aos especialistas técnicos dos EUA para examinarem os sistemas S-400 depois de sua compra à Rússia, declarou a agência Bloomberg, citando fontes próximas à discussão entre os EUA e a Turquia sobre a compra dos sistemas russos.


Sputnik

De acordo com a agência, Ancara esperava resolver a situação conflituosa surgida nas relações turco-americanas por causa da compra dos sistemas russos S-400.


Sistema de mísseis de defesa aérea S-400
S-400 Triumph © Sputnik / Vitaliy Ankov

A Turquia é um parceiro importante dos EUA no âmbito do programa de produção de caças F-35, já que peças de reposição para esses aviões deveriam ser produzidas por dez companhias turcas, segundo a Bloomberg. Porém, as autoridades norte-americanas recearam que se a Turquia tivesse caças F-35 e sistemas S-400, os computadores russos poderiam teoricamente transmitir à Rússia dados importantíssimos sobre o avião.

Agora os EUA deram um novo passo para obrigar a Turquia a rejeitar os sistemas S-400. Eles propuseram à parte turca os seus sistemas de mísseis Patriot com equipamentos no valor de 3,5 bilhões de dólares. Além disso, anteriormente a administração do presidente dos EUA convenceu os adversários da venda à Turquia dos sistemas norte-americanos no Congresso, declarando que se a Turquia comprasse os S-400, seriam introduzidas sanções contra Ancara.

Então, o negócio entre os EUA e a Turquia pode se realizar, mas em qualquer caso isso exige a aprovação do Congresso norte-americano, sublinhou a agência.

No entanto, o ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu, anunciou que Ancara estudou anteriormente a possibilidade da compra de sistemas Patriot, mas não conseguiu obter a aprovação de Washington, assinalando que o acordo com a Rússia já não pode ser revogado.

O porta-voz do presidente russo, Dmitry Peskov, comentando a notícia sobre o possível acesso de especialistas norte-americanos aos sistemas S-400 na Turquia, disse que o contrato com Ancara pressupõe a obrigação de não divulgação de certas informações.

"Regra geral, a cooperação técnico-militar da Rússia com outros países é acompanhada obrigatoriamente pela obrigação de não divulgação de certas categorias de informações, de informação sensível ligada a essa cooperação e a essa interação", comentou o porta-voz, acrescentando que não vê fundamentos para não confiar nos colegas turcos.

O especialista militar Igor Korotchenko comentou à Sputnik que não é vantajoso para Ancara compartilhar dados sobre os S-400 com os EUA.

"A Turquia não está nada interessada em que a informação sobre as características técnico-táticas e capacidades de combate dos S-400, que se tornarão na base do seu sistema nacional de defesa antiaérea, de alguma forma se encontre nas mãos dos EUA, com os quais Ancara tem relações bastante tensas e complicadas", disse Korotchenko.

Segundo o especialista, se trata de defesa da soberania nacional. A Turquia se baseará na posição de que nenhum país, inclusive os parceiros da OTAN, possa obter acesso aos dados sobre os S-400.

Além disso, Korotchenko afirma que nas próximas semanas a Turquia deve esperar mais ataques informativos destinados para dificultar as relações entre Moscou e Ancara e frustrar o acordo sobre os S-400.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas