Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA criticam bombardeiros russos na Venezuela: "Nós mandamos navio-hospital"

O coronel Robert Manning, porta-voz do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, criticou com veemência nesta segunda-feira o envio de bombardeiros russos à Venezuela e citou o envio de navio-hospital à região como exemplo do compromisso de Washington com a região.
EFE

Washington - "O enfoque dos EUA sobre a região difere do enfoque da Rússia. No meio da tragédia, a Rússia envia bombardeiros à Venezuela e nós mandamos um navio-hospital", declarou Manning durante uma entrevista coletiva realizada hoje no Pentágono.


O militar se referia com estas palavras ao USNS Comfort, que partiu em meados de outubro rumo à América Central e à América do Sul para oferecer ajuda sanitária aos milhares de refugiados venezuelanos amparados por diversos países da região.

"Enquanto nós oferecemos ajuda humanitária, a Rússia envia bombardeiros", lamentou Manning em referência ao envio uma esquadrilha de aviões russos, incluindo dois bombardeiros estratégicos T-160, capazes de carregar bomb…

Ucrânia tentou envolver Alemanha em uma guerra, diz ex-chanceler alemão

A Ucrânia tentou envolver a Alemanha em uma guerra, afirmou o ex-ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Sigmar Gabriel, ao canal N-TV.


Sputnik

"Acho que não devemos permitir de modo algum que a Ucrânia nos envolva em uma guerra. A Ucrânia tentou fazer isso", disse o diplomata alemão, comentando o incidente no estreito de Kerch.


Resultado de imagem para Sigmar Gabriel
Sigmar Gabriel

Ao mesmo tempo, Gabriel também acusou a Rússia, que protegia suas águas territoriais dos navios ucranianos que as atravessavam, de "violar o direito internacional" e expressou a esperança que a chanceler alemã Angela Merkel consiga "encaminhar as partes para relações normais".

Recentemente, em entrevista ao jornal alemã Funke Media, o líder ucraniano Pyotr Poroshenko falou sobre a necessidade de a Alemanha e seus aliados aumentarem sua presença militar no mar Negro "como um fator dissuasivo para a Rússia". Trechos da entrevista foram publicados no seu site.

Anteriormente, Poroshenko já se tinha mostrado esperançoso que a OTAN viesse apoiá-lo com o envio de navios da OTAN ao mar Negro após o incidente em questão.

Incidente no estreito de Kerch

Em 25 de novembro, três navios ucranianos violaram a fronteira russa entrando nas águas territoriais do país e realizando manobras perigosas. Como as embarcações ucranianas ignoraram os avisos das autoridades russas, a guarda fronteiriça deteve os navios com 24 tripulantes a bordo, o tribunal abriu um processo criminal contra os marinheiros.

Logo após o incidente, Kiev introduziu a lei marcial em 10 regiões do país por 30 dias. A lei limita temporariamente as liberdades e direitos constitucionais dos cidadãos, incluindo o direito de voto e de liberdade de expressão.

Moscou qualificou o incidente como uma provocação que é explicada pela baixa popularidade do presidente Pyotr Poroshenko nas vésperas das eleições presidenciais.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas