Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

'Absurdo': na ONU, Rússia questiona ultimato europeu à Venezuela

O embaixador russo na ONU, Vassily Nebenzia, disse a repórteres neste sábado (26) após um encontro de emergência do Conselho de Segurança da ONU que o ultimato europeu dado à Venezuela é um absurdo.


Sputnik

Mais cedo, O Reino Unido, Alemanha, França e Espanha declaração intenção de reconhecer a autoproclamação do líder da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, como presidente interino da Venezuela.


Embaixador da Rússia na ONU, Vassily Nebenzia, fala durante um encontro do Consleho de Segurança da ONU, em 18 de Abril de 2018.
Vassily Nebenzia © AP Photo / Mary Altaffer

O conjunto de países anunciou um "ultimato" ao governo venezuelano do presidente Nicolás Maduro, instando-o a convocar novas eleições. Caso contrário, os países reconheceriam a autoridade de Juan Guaidó.

"Eu ouvi a UE [União Europeia] falando na Câmara sobre esse ultimato absurdo de 8 dias. Eu imagino qual gênio inventou essa fórmula, que é ridícula. Por que 8 dias? Por que esse é o fim do prazo? Esse não é o caminho para se resolver a crise na Venezuela. Nós condenamos fortemente qualquer ultimato. O que precisamos fazer é facilitar que os lados políticos resolvam essa crise de forma pacífica e que o país volte ao normal", disse Nebenzia.

Na terça-feira (22), a situação política na Venezuela teve uma escalada através da decisão da Assembleia Nacional venezuelana de declarar Nicolás Maduro um usurpador.

Guaidó, na quarta-feira (23), autoproclamou-se presidente interino da Venezuela. Sua decisão foi apoiada por países da região, como Brasil, Argentina e Estados Unidos.

Já Rússia, China, México, Uruguai, além de outros países, expressaram apoio ao governo de Nicolás Maduro como a autoridade legítima da Venezuela.

Comentários

Postagens mais visitadas