Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

'Absurdo': na ONU, Rússia questiona ultimato europeu à Venezuela

O embaixador russo na ONU, Vassily Nebenzia, disse a repórteres neste sábado (26) após um encontro de emergência do Conselho de Segurança da ONU que o ultimato europeu dado à Venezuela é um absurdo.


Sputnik

Mais cedo, O Reino Unido, Alemanha, França e Espanha declaração intenção de reconhecer a autoproclamação do líder da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, como presidente interino da Venezuela.


Embaixador da Rússia na ONU, Vassily Nebenzia, fala durante um encontro do Consleho de Segurança da ONU, em 18 de Abril de 2018.
Vassily Nebenzia © AP Photo / Mary Altaffer

O conjunto de países anunciou um "ultimato" ao governo venezuelano do presidente Nicolás Maduro, instando-o a convocar novas eleições. Caso contrário, os países reconheceriam a autoridade de Juan Guaidó.

"Eu ouvi a UE [União Europeia] falando na Câmara sobre esse ultimato absurdo de 8 dias. Eu imagino qual gênio inventou essa fórmula, que é ridícula. Por que 8 dias? Por que esse é o fim do prazo? Esse não é o caminho para se resolver a crise na Venezuela. Nós condenamos fortemente qualquer ultimato. O que precisamos fazer é facilitar que os lados políticos resolvam essa crise de forma pacífica e que o país volte ao normal", disse Nebenzia.

Na terça-feira (22), a situação política na Venezuela teve uma escalada através da decisão da Assembleia Nacional venezuelana de declarar Nicolás Maduro um usurpador.

Guaidó, na quarta-feira (23), autoproclamou-se presidente interino da Venezuela. Sua decisão foi apoiada por países da região, como Brasil, Argentina e Estados Unidos.

Já Rússia, China, México, Uruguai, além de outros países, expressaram apoio ao governo de Nicolás Maduro como a autoridade legítima da Venezuela.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas