Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Administração Trump poderá expandir escudo antimísseis estadunidense

A administração do presidente dos EUA, Donald Trump, está considerando expandir o sistema de defesa antimísseis estadunidense tanto dentro do país como no exterior, informou a agência AP.


Sputnik

Entre os planos que a Casa Branca está analisando, encontra-se a possibilidade de implantar uma rede de satélites projetada para detectar e rastrear mísseis hostis.


Sistema de defesa antimíssil estadunidense Aegis Ashore
CC BY 2.0 / Agência de Defesa Antimíssil dos EUA / FTO-02-E1a-002

Espera-se que os detalhes do programa de ampliação sejam divulgados após o Departamento de Defesa apresentar os resultados da revisão do escudo antimísseis nesta quinta-feira (17). O Pentágono não publicou esse documento no ano passado por causa das tentativas de Trump de persuadir a Coreia do Norte a renunciar às suas armas nucleares. A publicação desse relatório teria prejudicado as negociações com Pyongyang.

De acordo com a AP, a administração Trump sublinhou a necessidade de deter os mísseis inimigos antes que eles sejam lançados ou nos primeiros minutos de voo. O Congresso já havia ordenado ao Pentágono acelerar esse plano, que incluiria o uso de drones armados com lasers.

Entretanto, qualquer expansão do escudo antimísseis afetará outras prioridades da Defesa, como os bilhões de dólares adicionais que o governo se comprometeu a investir em uma nova geração de armas nucleares.

Além disso, a expansão do sistema de defesa antimísseis teria implicações importantes para a diplomacia dos EUA nas relações com a Rússia e a China.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas