Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Ataques de Israel contra alvos na Síria deixam 11 mortos, diz ONG

Ataques realizados por Israel nesta segunda-feira contra alvos em Damasco e outros locais no sudoeste da Síria deixaram pelo menos 11 mortos, segundo informações divulgadas pelo Observatório Sírio de Direitos Humanos.


EFE

Cairo e Moscou - Os bombardeios, realizados por meio de aviões e também por mísseis terra-terra, causou grandes danos materiais e foi o mais violento feito por Israel na Síria desde maio do ano passado.


Soldado israelense na Síria em foto de 2018. EFE/ Atef Safadi
Soldado israelense na Síria em foto de 2018. EFE/ Atef Safadi

Entre os 11 mortos, segundo o Observatório, estão dois sírios. As demais vítimas não foram identificadas pela organização, que alerta que o número de mortos pode aumentar porque há várias pessoas feridas em estado grave.

O Exército de Israel informou em comunicado que o ataque teve como alvos armazéns de munições do Irã e do grupo libanês Hezbollah, aliados do presidente da Síria, Bashar al Assad, além de baterias antiaéreas do regime sírio, que tentaram interceptar os mísseis.

O Observatório afirmou que o ataque durou cerca de 60 minutos e atingiu diferentes partes do país, entre elas o aeroporto de Al Zala, no sudoeste de Damasco, e o oeste da província de Sweida.

O Centro Nacional de Controle da Defesa da Rússia informou que quatro militares sírios morreram e seis ficaram feridos nos ataques realizados por Israel na noite de ontem.

"Como resultado dos ataques, além disso, a infraestrutura do aeroporto internacional de Damasco foi parcialmente danificada", informou o órgão militar russo em comunicado.

Israel informou previamente que atacaria alvos militares iranianos e baterias do sistema de defesa antiaérea da Síria em resposta ao lançamento de um míssil contra o território do país.

Segundo o governo da Rússia, as baterias antiaéreas da Síria conseguiram derrubar 30 mísseis lançados por Israel. Além disso, o Exército sírio também conseguiu repelir parcialmente um ataque feito por aviões israelenses contra alvos no sul de Damasco.

As informações foram confirmadas por veículos ligados ao governo da Síria, que relataram que o sistema de defesa antiaérea do país interceptou dezenas de mísseis israelenses.

Israel acusa o Irã de ter disparado mísseis contra o território do país ontem e afirma que essa é a "prova definitiva" das intenções da República Islâmica na Síria.

O porta-voz do Exército de Israel afirmou que as ações do Irã colocam em risco o território do país e a estabilidade regional, mas ressaltou que o governo de Benjamin Netanyahu está preparado para seguir operando quando necessário para defender os israelenses.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas