Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA e Rússia revivem a Guerra Fria no Oriente Médio com duas cúpulas

Reuniões paralelas, na Polônia e na Rússia, representaram a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito entre Israel e a Palestina
Juan Carlos Sanz e María R. Sahuquillo | El País
Sochi / Jerusalém - Em 1991, a Conferência de Madri estabeleceu um modelo para o diálogo multilateral no Oriente Médio após o fim da Guerra Fria, que havia colocado Washington contra Moscou na disputa pela hegemonia em uma região estratégica. Transcorridos mais de 27 anos, dois conclaves paralelos representaram nesta quinta-feira em Varsóvia (Polônia) e Sochi (Rússia) a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito israelo-palestino. Os Estados Unidos e a Rússia, copresidentes em Madri em 1991, já não atuam mais como mediadores para aliviar as tensões e, mais uma vez, assumem um lado entre as partes conflitantes.

No fórum da capital polonesa, a diplomacia dos EUA chegou a um impasse ao reunir mais de 60 países em uma reu…

Bogotá nega conhecer planos de Bolton de enviar '5.000 soldados para a Colômbia'

O ministro das Relações Exteriores da Colômbia, Carlos Holmes Trujillo, disse que Bogotá não sabe por que o assessor de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, mencionou seu país em uma anotação sobre o possível envio de 5.000 soldados para a Colômbia em meio à crise na vizinha Venezuela.


Sputnik

"Com relação à menção da Colômbia no caderno que o senhor John Bolton tinha em mãos, o objetivo e a razão dessa anotação são desconhecidos", disse o chanceler colombiano.


Assessor de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, segura um bloco de anotações escrito 5.000 soldados para a Colômbia, durante uma coletiva de imprensa na Casa Branca em Washington, EUA, 28 de janeiro de 2019
John Bolton © REUTERS / Jim Young

Carlos Holmes Trujillo disse que Bogotá mantém a posição que estabeleceu com os países membros do Grupo de Lima sobre a situação na Venezuela e "continuará a agir política e diplomaticamente para criar as condições que levarão a um processo eleitoral que restabeleça a ordem democrática e institucional nesse país ".

Ele também destacou que "a Colômbia continuará a dialogar permanentemente com os EUA sobre todas as questões de interesse comum e a cooperar com essa nação amiga, em questões bilaterais, regionais e globais".

O conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, foi visto na segunda-feira (28) com um caderno amarelo com as palavras "5.000 soldados na Colômbia".

Bolton pediu em 28 de janeiro que as Forças Armadas da Venezuela apoiem uma transição pacífica de poder no país caribenho. Nicolás Maduro reagiu a essa mensagem comentando que, se Bolton quer uma solução militar para a Venezuela, pode pedir um golpe de Estado abertamente.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas