Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Chefe da Defesa norueguesa lamenta perda 'trágica' de fragata durante manobras da OTAN

Durante seu discurso anual, o chefe da Defesa norueguesa lamentou a dramática perda de uma fragata durante os exercícios Trident Juncture da OTAN.


Sputnik

O chefe da Defesa norueguesa, almirante Haakon Bruun-Hanssen, considera como uma "tragédia" a perda da valiosa fragata KNM Helge Ingstad. Além disso, ele enfatizou que a Noruega deve adquirir várias embarcações para a Marinha para manter a segurança do país.


Embarcação norueguesa KNM Helge Ingstad
© AFP 2018 / Marit HOMMEDAL / NTB scanpix

"A perda da fragata é crucial para a nossa capacidade de defesa. As fragatas são os únicos sistemas que nós temos nas Forças Armadas capazes de travar uma guerra em três dimensões simultaneamente. Portanto, nós sofremos uma perda de capacidade considerável", disse Bruun-Hansen ao jornal Verdens Gang.

Enquanto admitia os "erros cometidos", ele também elogiou o pessoal que evacuou a fragata rapidamente. Apesar que o governo norueguês planeja a apresentação do próximo plano de longo prazo para as Forças Armadas em 2020, Bruun-Hansen já deixou claro que novos departamentos operacionais e embarcações militares fazem parte de sua lista.

Até 2025, quando a Noruega descomissionar suas corvetas e contar com os caças F-35, o país ficará apenas com algumas fragatas e submarinos.

"O espaço vazio que deixarmos sem dúvidas será preenchido por outros, podendo enfraquecer a estabilidade que procuramos manter. Com o objetivo de manter uma presença marítima norueguesa suficiente nas áreas ao norte, a dimensão da Marinha deverá ser aumentada", afirmou o Bruun-Hansen.

A Noruega tenta se enquadrar no plano laçado pelo ex-secretário de Defesa dos EUA, Jim Mattis, segundo o qual as nações da OTAN devem ser capazes de mobilizar 30 batalhões de infantaria, 30 esquadrões aéreos e 30 navios militares em 30 dias após serem alertadas. Entretanto, os noruegueses reconhecem que não podem cumprir esses requisitos.

"Com a estrutura e a capacidade de resposta de hoje, nós não seremos capazes de satisfazer as crescentes necessidades nacionais e tampouco satisfazer as necessidades crescentes da OTAN", reconhece o almirante Bruun-Hanssen.

A fragata norueguesa KMN Helge Ingstad colidiu com o navio petroleiro Sola TS junto à costa norueguesa ao regressar das manobras da OTAN. Apesar das investigações, o motivo da colisão ainda é desconhecido.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas