Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

'Queremos que a Venezuela volte à democracia', diz Bolsonaro a TV dos EUA

Em entrevista à Fox News, o presidente também defendeu o muro para separar EUA do México. Nesta terça, ele vai se encontrar com Donald Trump.
Por G1

O presidente Jair Bolsonaro disse em entrevista à TV norte-americana na madrugada desta terça-feira (19) que a Venezuela estará no centro das discussões durante o encontro com o presidente dos EUA, Donald Trump, na Casa Branca, nesta tarde.

Ao canal Fox News, Bolsonaro reafirmou que o presidente norte-americano mantém "todas as opções na mesa"em relação à Venezuela. "Nós não podemos falar em todas as possibilidades, mas o que for possível de forma diplomática", disse Bolsonaro, segundo tradutor da emissora.

A entrevista foi ao ar com tradução simultânea, e em alguns trechos não foi possível ouvir o que o presidente respondeu. Bolsonaro disse que o Brasil é o país mais interessado em pôr fim ao governo de Nicolás Maduro.

O presidente afirmou que o governo brasileiro está alinhado ao de Trump. "Hoje temos nova ideologia,…

China reage à operação da marinha dos EUA: 'temos mísseis'

O governo chinês vai implantar um sistema de mísseis balísticos DF-26, conhecidos como “assassinos de navios”, em pontos estratégicos do país próximos ao mar do sul da China e da região oriental da Ásia, área altamente disputada entre países do sudeste asiático. 


Vanessa Barbosa | Exame

A investida ocorre poucos dias depois de um navio de guerra dos EUA atravessar o Estreito de Taiwan e navegar perto das Ilhas Paracel, reivindicadas pela China, Vietnã e Taiwan.


China: mísseis balísticos DF-26 exibidos durante desfile militar em Pequim.
China: mísseis balísticos DF-26 exibidos durante desfile militar em Pequim © Andy Wong – Pool

O navio de guerra americano alegou que estava navegando sob as regras internacionais do direito do mar, um acordo que garante sua “livre passagem” na região.

Mas a China acusou os EUA de invadir suas águas territoriais. “A ação dos EUA violou as leis chinesas e as leis internacionais, infringiu a soberania da China, danificou a paz regional, a segurança e a ordem”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Lu Kang, na segunda-feira.

Os mísseis chineses são capazes de acertar alvos terrestres e marinhos a até 5.471 quilômetros, e suportam ogivas convencionais e nucleares.

Com isso, a China pretende alertar que o país tem mísseis e é capaz de proteger seu território, segundo artigo publicado pela CNN.

Como parte das medidas cautelares, a China também enviou aviões militares e navios de guerra para alertar o navio de guerra dos EUA e ordená-lo a se afastar das ilhas disputadas.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas