Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Como EUA poderiam enfrentar os sistemas da defesa antiaérea da Venezuela?

Em meio às tensões entre Venezuela e EUA, surgem análises sobre a defesa que o país sul-americano possui e como poderia ser vencida.


Sputnik

A revista Military Watch analisou essa situação e destacou que a Venezuela possui equipamentos militares avançados. O país possui a versão mais atual dos caças russos Su-30, denominada MK2, que combinam sistemas radioeletrônicos mais modernos, além de armamentos poderosos e incomparável manobrabilidade.


Lançamento de míssil S-300 (foto de arquivo)
Lançamento de míssil S-300 Favorit © Sputnik / Artyom Zhitenev

Destaca-se que os EUA jamais enfrentaram inimigos donos de caças Su-30MK2, de geração 4+, que possuem vantagens consideráveis sobre as bases da Força Aérea americana, compostas por caças F-15 Eagle e F-18E Super Hornet.

A revista também observa que tudo poderia mudar com a incorporação de caças F-15X, profundamente modernizados, porém, os EUA deverão recebê-los apenas depois de 2020.

Outra dificuldade que os americanos encontrariam seriam os sistemas de defesa antiaérea da Venezuela, que entre eles há os sistemas BuK-M2 e S-300VM, ambos considerados como os mais avançados das referentes classes e os EUA combateram poucos países donos de tais sistemas.

De acordo com a revista, as aeronaves de quarta geração dos EUA não foram projetadas para enfrentar os sistemas de defesa antiaérea avançados e modernizados, como é o caso dos S-300.

Perante a combinação de caças russos de geração 4+ e sistemas de defesa antiaérea que a Venezuela possui, pode presumir que o país conta com uma "barreira insuperável" contra as aeronaves da frota americana.

A única possibilidade para os EUA seria a utilização da frota de caças de quinta geração, que hoje é formada por caças F-22. Esse poderia ser o único caminho para tentar penetrar a defesa venezuelana, já que o F-35 não conseguiria enfrentar caças Su-30MK2 devido aos problemas nos radares.

Além disso, os EUA também poderiam utilizar seus mísseis de cruzeiro lançados pelos seus bombardeiros estratégicos B-52, entretanto, a mídia americana reconhece que os sistemas de defesa russos poderiam derrubar esses mísseis, contudo, suas capacidades são limitadas e, com um ataque massivo, alguns desses mísseis poderiam penetrar nas defesas venezuelanas.

O ponto fraco da Venezuela seria a ausência de fortificações em suas bases aéreas e nos sistemas de defesa antiaérea, o que permitiria que EUA tentassem atingir o país com uma efetividade maior, e somente assim, utilizando caças americanos de quarta geração.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas