Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Os mísseis russos que se tornaram alvo de disputa entre EUA e Turquia

A Turquia, dona do segundo maior Exército entre os 29 países que compõem a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), está prestes a adquirir mísseis antiaéreos S-400.
BBC News Brasil

Os S-400 são os mísseis "terra-ar" mais avançados do mundo e se tornaram motivo de uma disputa entre Turquia e Estados Unidos que pode ameaçar a aliança militar das potências ocidentais.

Isso porque os S-400 são fabricados na Rússia, o principal rival da organização fundada em 1949 justamente para se opor à então União Soviética.

A insistência da Turquia em adquirir os mísseis russos irritou os Estados Unidos, que encaram a decisão como uma potencial ameaça para seus aviões de combate F-35, também em vias de serem comprados pelos turcos.
Troca de farpas

"Não ficaremos de braços cruzados enquanto os aliados da Otan compram armas dos nossos adversários", advertiu o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, durante um encontro organizado há poucos dias em Washington para celebrar o aniversár…

Consulado saudita veta entrada de relatora que investiga caso Khashoggi

O consulado da Arábia Saudita em Istambul vetou nesta terça-feira a entrada da relatora sobre execuções extrajudiciais da ONU, Agnès Callamard, que investiga o assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi, informou a agência turca "Anadolu".


EFE

Istambul - Agnès, que ontem se reuniu em Ancara com autoridades turcas, chegou hoje a Istambul e foi até o consulado saudita, onde Khashoggi foi supostamente assassinado e esquartejado em 2 de outubro do ano passado, mas foi impedida de entrar no edifício, aparentemente por não ter pedido a tempo a permissão à diplomacia saudita.


Ao centro, a relatora sobre execuções extrajudiciais da ONU, Agnès Callamard, que investiga o assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi e que foi barrada no consulado saudita em Istambul. EFE/ Arif Hudaverdi Yaman
Ao centro, a relatora sobre execuções extrajudiciais da ONU, Agnès Callamard, que investiga o assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi e que foi barrada no consulado saudita em Istambul. EFE/ Arif Hudaverdi Yaman

"Avisamos tarde às autoridades sauditas sobre a investigação no consulado. É preciso dar a eles um pouco mais de tempo para que avaliem a nossa solicitação. Queremos uma permissão das autoridades para entrar", disse Agnès à imprensa nas imediações do prédio.

O porta-voz do partido governamental turco Justiça e Desenvolvimento (AKP), Ömer Çelik, criticou duramente a postura do consulado em entrevista à emissora de televisão turca "A Haber".

"É um escândalo não deixarem-na entrar. Deveríamos abrir uma investigação internacional", disse Çelik.

Durante os primeiros meses após o assassinato, o governo da Turquia insistiu que o crime deveria ser resolvido e julgado pela Justiça turca, mas depois começou a se queixar da nula cooperação das autoridades sauditas e nas últimas semanas se pronunciou abertamente a favor de uma investigação internacional.

Agnès chegou ontem a Ancara, onde se reuniu com o ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlüt Çavusoglu, e com o da Justiça, Abdulhamit Gül, mas não fez declarações depois.

Segundo a "Anadolu", a relatora tem a intenção de se encontrar hoje em Istambul com o procurador Irfan Fidan, que dirige a investigação turca do assassinato do jornalista.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas