Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Diretor de Projetos da Marinha do Brasil diz que Programa Tamandaré não será afetado por cortes no orçamento

Convidado para falar a empresários catarinenses durante a reunião do Comitê da Indústria da Defesa (Comdefesa), da Fiesc, o vice-almirante Petronio Augusto Siqueira de Aguiar, diretor de Projetos da Marinha do Brasil, garantiu na manhã desta quinta-feira que o bloqueio de verbas do governo federal não vai afetar o andamento do projeto de construção de quatro navios da Marinha em Itajaí.
Poder Naval

Ele confirmou que o recurso previsto para a empreitada, de R$ 2,5 bilhões, está contingenciado – mas acredita que isso será revertido no segundo semestre. – Esse projeto não tem volta. O Brasil e a Marinha precisam modernizar a frota – afirmou.

A Marinha foi a principal atingida pelo bloqueio de verbas no setor de Defesa, que soma R$ 13 bilhões. O recurso para as corvetas está com a Emgepron, empresa de projetos da Marinha que negocia os termos do contrato com o consórcio Águas Azuis, vencedor da concorrência pública para construção das embarcações.

O grupo tem entre as consorciadas a alemã Thys…

Coreia do Sul apresenta versão sobre incidente com avião de patrulha japonês (VIDEO)

A Coreia do Sul voltou a declarar que seu navio militar não usou o radar de controle de fogo contra forças japonesas.


Sputnik

O vídeo dura mais de quatro minutos e apresenta uma análise detalhada da filmagem apresentada pelo Japão há uma semana. De acordo com os sul-coreanos, a filmagem japonesa mostra uma versão deformada do ocorrido e também comprova ações ilegítimas do piloto japonês.


Resultado de imagem para Coreia do Sul apresenta versão sobre incidente com avião de patrulha japonês
Aviões de patrulha Kawasaki P-1 da Força Aérea de Auto Defesa do Japão | Reprodução

Em particular, a filmagem mostra o comunicado de imprensa do Ministério da Defesa japonês sobre o incidente que foi divulgado em 28 de dezembro e que mostra trechos das regras internacionais de voo, inclusive sobre normas de altura mínima de voo. A parte sul-coreana sublinhou que as regras citadas correspondem à aviação civil e não militar.

"Voltamos a declarar que o Japão deve interromper as ações que deformam fatos e apresentar desculpas por realizar voo na altura baixa sobre o nosso navio que estava realizando operação humanitária e de resgate", frisou Choi Hyun-soo, porta-voz do Ministério da Defesa da Coreia do Sul.

Foi acrescentado também que as ações do piloto da aeronave japonesa "representaram ameaça" para navio sul-coreano.

O incidente ocorreu no dia 20 de dezembro de 2018. Como alega a parte japonesa, o navio da Marinha sul-coreana direcionou o radar de controle de fogo ao avião de patrulha japonês. O ocorrido resultou em protesto oficial por parte de Tóquio.

A Coreia do Sul, por sua vez, insiste que o navio militar estava ajudando um navio norte-coreano com dificuldades nas imediações da área onde o avião japonês estava voando.



Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas