Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump diz que 'certamente' entraria em guerra com o Irã, mas 'não agora'

O presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou que consideraria uma ação militar contra o Irã para impedir que a República Islâmica consiga armas nucleares. A briga entre Teerã e Washington aumentou depois que os EUA acusaram o Irã de atacar dois petroleiros.
Sputnik

"Eu certamente vou considerar as armas nucleares", disse Trump à revista Time na terça-feira, quando perguntado sobre o que poderia levá-lo a declarar guerra ao Irã. "E eu manteria o outro um ponto de interrogação".

A reportagem não especificou se o presidente elaborou o cenário de lançar um conflito armado de pleno direito com a República Islâmica sobre seu programa nuclear. Quando um repórter perguntou a Trump se ele estava considerando uma ação militar contra o Irã agora, ele respondeu: "Eu não diria isso. Eu não posso dizer isso".

Seus comentários foram feitos um dia depois de o Pentágono ter enviado 1.000 soldados extras para o Oriente Médio "para fins defensivos".

Os Estados Unidos cu…

Curdos pedem proteção internacional para apoiar zona de segurança na Síria

As Forças Democráticas Sírias (FDS), compostas principalmente por combatentes curdos, declararam estar prontas para apoiar a construção de uma zona de segurança no norte da Síria em troca da proteção por parte da comunidade internacional no caso de uma invasão estrangeira, declarou nesta quarta-feira o comando da organização.


Sputnik

"O FDS irá fornecer todo o apoio e assistência necessários para formar uma zona de segurança no norte e nordeste da Síria (…) no caso de obtenção de garantias internacionais que confirmem a proteção de toda a população da região, reforçem a segurança e a estabilidade, bem como garantam a ausência de uma invasão estrangeira", disse um dos líderes das FDS, citado pelo site oficial do grupo.


Militante das Forças Democráticas da Síria
Terrorista curdo © AP Photo / Forças Democráticas da Síria

O comandante ressaltou que essa assistência incluiria a "proteção de todos os grupos étnicos (residentes na área) do perigo do genocídio".

As FDS destacaram não representar ameaça para nenhum país, incluindo a Turquia, e afirmaram esperar "alcançar o entendimento mútuo para a estabilidade e segurança nas áreas de fronteira" com Ancara.

O diretor do Centro de Informações das FDS, Mustafa Bali, declarou à Sputnik que o grupo apoia apenas a criação de uma zona de segurança sob a supervisão da comunidade internacional, não da Turquia.

"Qualquer projeto sob a supervisão da Turquia será outro tipo de ocupação, algo ao que nos opomos", disse Bali.

Mais cedo, o presidente norte-americano Donald Trump ameaçou "devastar economicamente" a Turquia, se esta atacar os curdos sírios após a retirada das tropas dos EUA do país e também sugeriu a criação de uma zona de segurança.

O porta-voz da presidência turca, Ibrahim Kalin, disse na terça-feira que esta zona de segurança será criada no norte da Síria e que será controlada pelo exército turco.

Segundo o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, Ancara está disposta a garantir a segurança no território, com apoio aéreo de Washington.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas