Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

Do Alasca ao espaço: detalhes da nova Revisão da Defesa Antimísseis dos EUA

Presidente dos EUA, Donald Trump, revelou a nova estratégia de defesa antimísseis que visa destruir armas inimigas.


Sputnik

Uma das principais preocupações relatadas no relatório é a velocidade com a qual seus rivais, destacando a Coreia do Norte, Irã, Rússia e China, estão avançando em novas tecnologias, como mísseis supersônicos, que podem se deslocar a mais de 5.000 km/h e manobrar, sendo quase impossíveis de interceptar.


Resultado de imagem para missile defense review

"Nossa estratégia é baseada em um objetivo principal: detectar e destruir todos os tipos de ataque de mísseis contra qualquer alvo americano, antes ou depois do lançamento", declarou Donald Trump durante apresentação da Revisão da Defesa Antimísseis de 2019.

Segundo o relatório, os EUA "contam com uma dissuasão nuclear para prevenir um eventual ataque nuclear da China ou da Rússia, utilizando seus grandes e bem desenvolvidos sistemas de mísseis intercontinentais".

Trump apontou pelo menos seis prioridades da Revisão da Defesa Antimísseis, que é a primeira a ser feita pelos Estados Unidos desde 2010.

No documento, ele coloca a defesa dos americanos em primeiro lugar, investindo em novas tecnologias, com o objetivo de estar preparado para todos os tipos de ataque de mísseis, reconhecendo que o espaço passou a ser o "novo domínio de campo de batalha, removendo obstáculos para os projetos dos EUA, além de exigir ‘partilha de encargos' de seus aliados".

A nova revisão ainda determina o desenvolvimento de 20 novos interceptadores terrestres no Fort Greely, no Alasca, assim como novos radares e sensores capazes de detectarem imediatamente qualquer míssil inimigo lançado contra os EUA.

"Nós devemos prosseguir a pesquisa de tecnologia avançada para garantir que os EUA estejam sempre à frente daqueles que nos atingiriam", ressaltou Trump.

Com relação ao espaço, Trump indica que fará grandes investimentos em sistemas de defesa espaciais, ressaltando que isso será uma grande parte de sua defesa.

Além disso, o Pentágono também espera desenvolver uma tecnologia de laser altamente escalável, eficiente e compacta.

Atualmente, o F-35 é a maior esperança dos americanos, isso devido à capacidade de rastrear e de destruir mísseis de cruzeiro dos inimigos, além de poder ser equipado no futuro com um novo ou modificado interceptor capaz de atingir mísseis balísticos antes da fase de impulsão.

Contudo, o documento destaca que a Coreia do Norte é "uma ameaça extraordinária, e os Estados Unidos devem permanecer atentos".

A revisão de 2010, elaborada pela administração de Barack Obama, focou na cooperação com a Rússia no campo de defesa antimíssil, priorizando o desenvolvimento de defesas antimísseis não estratégicas, além de uma maior flexibilidade e velocidade no desenvolvimento da defesa antimíssil.

Comentários

Postagens mais visitadas