Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

EI assume autoria de ataque contra comboio dos EUA na Síria

O grupo jihadista Estado Islâmico (EI) assumiu nesta segunda-feira a autoria do ataque suicida contra um comboio das tropas dos Estados Unidos na província síria de Al Hasakah, no leste do país, o segundo em menos de uma semana contra os americanos.


EFE

Cairo - A agência "Amaq", afim aos jihadistas, indicou que o EI realizou um ataque suicida "com um carro-bomba contra um comboio conjunto das forças americanas e as do PKK", em alusão às Forças da Síria Democrática (FSD).


Resultado de imagem para Al Hasakah attack
Reprodução

Na nota, divulgada pelo Telegram e cuja autenticidade não pôde ser verificada, a organização apontou que o atentado aconteceu perto do posto de controle 47, na cidade de Al Shaddadi, ao sul de Al Hasakah, embora não tenha informado o número de vítimas.

Segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos, pelo menos cinco membros das FSD, uma aliança curda apoiada por Washington, morreram no ataque e dois militares americanos ficaram feridos.

O porta-voz da coalizão internacional, Sean Ryan, liderada pelos EUA e que combate os extremistas na Síria, afirmou na rede social Twitter que "não houve vítimas americanas".

"Podemos confirmar que um comboio combinado das forças dos EUA e da força aliada síria foi envolvido em um aparente ataque VBIED (carro-bomba) na Síria. Não houve vítimas americanas", indicou o porta-voz americano em um tweet.

Este é o segundo ataque que tem como alvo as forças americanas na Síria nos últimos cinco dias.

Na última quarta-feira, dois soldados, um civil que trabalhava para o Departamento de Defesa e um funcionário terceirizado americanos morreram em um atentado suicida reivindicado pelo EI na cidade síria de Manbij (norte).

No ataque morreram também cinco combatentes sírios e dez civis.

No último dia 11 o Pentágono anunciou que iniciou o processo de retirada dos 2 mil soldados americanos desdobrados na Síria, seguindo as ordens do presidente dos EUA, Donald Trump.

As FSD realizam desde setembro do ano passado uma ofensiva contra os últimos redutos do grupo radical na Síria, com a cobertura aérea da coalizão internacional e com o apoio das tropas americanas.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas