Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

Equipe da OPAQ investiga suposto ataque químico em Alepo, na Síria

Uma equipe da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) está na Síria com o objetivo de compilar informação e investigar o possível uso desse tipo de armamento no último dia 24 de novembro na cidade de Alepo, informou o organismo nesta terça-feira em comunicado.


EFE

Haia - Os investigadores viajaram para a Síria no início deste mês, o que não foi anunciado previamente por motivos de segurança, e também não se sabe se já se encontram em Alepo ou em outro lugar do país à espera de ter acesso ao local onde aconteceu o ataque denunciado.


Resultado de imagem para opaq siria
OPAQ na Síria | Reprodução

Em sua nota, a OPAQ explica que em 24 de novembro recebeu informação sobre o possível uso de armas químicas em Alepo, no noroeste da Síria, e assegura que vigiou "a situação desde então".

No início de dezembro, a organização enviou à Síria uma equipe "avançada" de investigadores para compilar informação em colaboração com as autoridades sírias, ao quais se seguiram na semana passada vários especialistas da Missão de Investigação (FFM, na sigla em inglês) para "estabelecer mais fatos a respeito da acusação", ressaltou a OPAQ.

Os membros da FFM, segundo acrescentou o organismo, estão "colhendo e analisando informação de maneira independente" e estão tomando as medidas necessárias para "garantir a proteção e a segurança dos especialistas da OPAQ e do pessoal envolvido" nesta missão.

A FFM foi criada em 2014, após as repetidas denúncias de ataques contra civis com armas químicas na Síria, e desde então investiga os possíveis usos de substâncias tóxicas, como o cloro, em bombardeios contra a população durante o conflito armado que acontece no país desde 2011.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas