Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

'Esta não é uma luta dos EUA': forças americanas precisam deixar a Síria, diz repórter

Apesar do argumento de que as forças dos EUA devem continuar na Síria, usando a morte de quatro americanos em Manbij como justificativa para a permanência, Washington ainda deve trabalhar para retirar seus militares da região, opina o repórter investigativo Rick Sterling à Sputnik.


Sputnik

A morte de quatro norte-americanos, confirmada na quarta-feira (16) pelo Comando Central dos EUA (CENTCOM), ocorreu durante um ataque suicida quando estavam "conduzindo uma missão local". Esse acidente ocorreu semanas após a declaração do presidente dos EUA, Donald Trump, de que os militantes do Daesh teriam sido derrotados e sobre a saída de quase 2 mil militares americanos do país árabe.


Militar norte-americano na cidade de Manbij, Síria
Tropa dos EUA na Síria © AP Photo/ Hussein Malla

"Nos últimos dias, tenho visto uma verdadeira escalada na intensidade dos ataques e nas críticas às forças dos EUA que estão se retirando da Síria", disse o repórter à Sputnik, adicionando que "a melhor coisa seria que os EUA saíssem [da Síria]. Esta é antes de tudo uma luta das pessoas que vivem lá."

"Na realidade, esta não é uma luta dos EUA, e as metas e motivações dos EUA não são do interesse das pessoas de lá [da Síria]; tem mais a ver com as manobras geopolíticas dos EUA", ressaltou.

As imagens compartilhadas nas mídias sociais da explosão em Manbij mostram a devastação causada pelo ataque, onde, além dos quatro americanos, também morreram vários moradores que estavam nas proximidades no momento do incidente.

Após os relatos do ataque, o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, confirmou a posição e os comentários de Trump de que Washington "esmagou o califado [Daesh] e destruiu as suas capacidades".

Antes dos eventos em Manbij, apenas dois soldados dos EUA haviam sido mortos em combate na Síria desde que as forças chegaram ao país em 2014, informou a CNN.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas