Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

'Esta não é uma luta dos EUA': forças americanas precisam deixar a Síria, diz repórter

Apesar do argumento de que as forças dos EUA devem continuar na Síria, usando a morte de quatro americanos em Manbij como justificativa para a permanência, Washington ainda deve trabalhar para retirar seus militares da região, opina o repórter investigativo Rick Sterling à Sputnik.


Sputnik

A morte de quatro norte-americanos, confirmada na quarta-feira (16) pelo Comando Central dos EUA (CENTCOM), ocorreu durante um ataque suicida quando estavam "conduzindo uma missão local". Esse acidente ocorreu semanas após a declaração do presidente dos EUA, Donald Trump, de que os militantes do Daesh teriam sido derrotados e sobre a saída de quase 2 mil militares americanos do país árabe.


Militar norte-americano na cidade de Manbij, Síria
Tropa dos EUA na Síria © AP Photo/ Hussein Malla

"Nos últimos dias, tenho visto uma verdadeira escalada na intensidade dos ataques e nas críticas às forças dos EUA que estão se retirando da Síria", disse o repórter à Sputnik, adicionando que "a melhor coisa seria que os EUA saíssem [da Síria]. Esta é antes de tudo uma luta das pessoas que vivem lá."

"Na realidade, esta não é uma luta dos EUA, e as metas e motivações dos EUA não são do interesse das pessoas de lá [da Síria]; tem mais a ver com as manobras geopolíticas dos EUA", ressaltou.

As imagens compartilhadas nas mídias sociais da explosão em Manbij mostram a devastação causada pelo ataque, onde, além dos quatro americanos, também morreram vários moradores que estavam nas proximidades no momento do incidente.

Após os relatos do ataque, o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, confirmou a posição e os comentários de Trump de que Washington "esmagou o califado [Daesh] e destruiu as suas capacidades".

Antes dos eventos em Manbij, apenas dois soldados dos EUA haviam sido mortos em combate na Síria desde que as forças chegaram ao país em 2014, informou a CNN.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas