Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

EUA criaram mais de 200 laboratórios biológicos militares, diz político russo

O Conselho de Segurança da Rússia não exclui o desenvolvimento de armas biológicas de nova geração por uma série de países, entretanto, os EUA criaram mais 200 laboratórios biológicos militares por todo o mundo, inclusive na Ucrânia e outros países vizinhos da Rússia, declarou o secretário da entidade russa, Nikolai Patrushev.


Sputnik

"O alarme maior é suscitado pelo desenvolvimento de tecnologias biológicas que podem ser consideradas como investigações de duplo propósito. Nós não excluímos a possibilidade de desenvolvimento de armas biológicas de nova geração por uma série de países", disse Patrushev em entrevista ao jornal Rossiyskaya Gazeta.


Provetas de vidro (imagem referencial)
© flickr.com/ TNS Sofres

Segundo ele, os EUA colocaram em funcionamento mais de 200 laboratórios biológicos militares por todo o mundo, inclusive em países da Comunidade dos Estados Independentes, na Ucrânia, Geórgia e Afeganistão.

"A sua atividade tem pouco em comum com a ciência pacífica. A preocupação maior é suscitada pela realização neles de experimentos com seres humanos. Então, o reforço do controle de epidemiologia e das pesquisas científicas na esfera da segurança biológica ganham uma atualidade cada vez maior", assinalou.

A Rússia expressou por mais de uma vez sua preocupação por causa da atividade do Pentágono instalando seus laboratórios médico-biológicos perto da fronteira russa. Em 2015, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia chamou a atenção para o Centro de Pesquisas de Saúde Pública Richard Lugar, nos arredores de Tbilisi, onde atuava uma divisão de investigação médica das forças terrestres dos EUA.

Moscou admite que as autoridades norte-americanas e georgianas procurem esconder a verdadeira atividade dessa subunidade militar dos EUA que estuda doenças contagiosas especialmente perigosas. A Geórgia considera esses receios infundados e afirma que o laboratório realiza exclusivamente pesquisas cientificas.

Comentários

Postagens mais visitadas