Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

EUA se recusam a reconhecer rompimento de laços diplomáticos com Venezuela

Os Estados Unidos não acreditam que o presidente Nicolás Maduro tenha a autoridade legal para romper os laços diplomáticos da Venezuela com Washington, disse o secretário de Estado, Mike Pompeo, em um comunicado à imprensa.


Sputnik

Mais cedo, Maduro disse que a Venezuela rompeu relações diplomáticas com os Estados Unidos e ordenou a expulsão de seus diplomatas depois que o governo Trump reconheceu o líder da oposição, Juan Guaidó, como presidente interino da Venezuela.


Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo (imagem de arquivo)
Mike Pompeo © flickr.com/ Gage Skidmore

"Os Estados Unidos não reconhecem o regime de Maduro como o governo da Venezuela. Portanto, os Estados Unidos não consideram que o ex-presidente Nicolás Maduro tenha a autoridade legal para romper relações diplomáticas com os Estados Unidos ou declarar nossos diplomatas persona non grata", escreve Pompeo na nota.

Pompeo também pediu que os militares venezuelanos protejam os cidadãos norte-americanos e disse que os Estados Unidos tomarão as medidas apropriadas para responsabilizar quem põe em perigo a segurança de americanos expatriados.

A situação na Venezuela piorou consideravelmente após a posse de Nicolás Maduro, reconduzido ao poder no último dia 10 de janeiro. Países membros do Grupo de Lima — entre eles o Brasil — decidiram não reconhecer o novo mandato. Posteriormente, Brasil, Paraguai, Canadá e Estados Unidos decidiram reconhecer o presidente da Assembleia Nacional destituída, Juan Guaidó como o presidente interino do país.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas