Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Governo dos EUA evacua seu pessoal não essencial da Venezuela

O governo dos Estados Unidos ordenou nesta quinta-feira a evacuação de todo seu pessoal não essencial na Venezuela depois que o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, lhes deu 72 horas para sair do país.


EFE

Washington - Em um alerta de segurança, o Departamento de Estado dos EUA também recomendou aos americanos que residam ou estejam de viagem na Venezuela "considerar seriamente" deixar o país "enquanto os voos comerciais sigam disponíveis".


Embaixada americana em Caracas. EFE/Miguel Gutiérrez
Embaixada americana em Caracas. EFE/Miguel Gutiérrez

Aos americanos que optem por ficar na Venezuela, o governo lhes recomendou "ter as provisões adequadas para permanecer nas suas casas".

A embaixada dos EUA em Caracas permanecerá aberta nas próximas horas, embora com "sua capacidade limitada a fornecer serviços de emergência aos cidadãos americanos na Venezuela".

Maduro ordenou nesta quarta-feira a saída de todo o pessoal diplomático dos EUA no país depois que o presidente Donald Trump reconheceu o autoproclamado presidente venezuelano em exercício, Juan Guaidó, como governante legítimo.

O secretário de Estado, Mike Pompeo, respondeu então que os EUA não retirariam seu pessoal por não reconhecer a autoridade de Maduro, que rotulou de "ex-presidente".

"Os Estados Unidos mantêm relações diplomáticas com a Venezuela e as faremos através do governo interino de Guaidó, que convidou nossa missão a permanecer na Venezuela", disse Pompeo.

Hoje, Maduro reiterou sua decisão, "que mantém com firmeza", de romper relações diplomáticas e políticas "com o governo imperialista de Donald Trump, e expulsar todo seu pessoal diplomático" da Venezuela.

"Até o domingo têm 72 horas para se retirar da Venezuela", insistiu Maduro, que ordenou também o fechamento das embaixadas e consulados americanos no país caribenho quando se esgotar esse prazo.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas