Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Putin ameaça retaliar se EUA instalarem mísseis na Europa

Em seu discurso sobre o estado da nação, presidente russo faz ataques a Washington e promete apontar seu arsenal para os Estados Unidos e para o continente europeu se mísseis americanos atravessarem o Atlântico.
Deutsch Welle

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, alertou nesta quarta-feira (20/02) que seu país responderá a um possível envio de mísseis americanos à Europa, fazendo com que não apenas os países que receberem esses armamentos se tornem alvos, mas também os Estados Unidos.


Em seu discurso anual sobre o estado da nação em Moscou, Putin elevou o tom ao comentar uma nova e potencial corrida armamentista. Ele afirmou que a reação russa a um possível envio seria rigorosa e que as autoridades em Washington – algumas das quais estariam obcecadas com o "excepcionalismo" americano – deveriam calcular os riscos antes de tomar qualquer medida.

"É o direito deles de pensar da forma que quiserem. Mas eles sabem fazer cálculos? Tenho certeza que sabem. Deixemos que eles cal…

Grupo de Lima busca contato com Rússia e China, diz representante de Guaidó

O Grupo Lima está interessado em estabelecer contatos com a Rússia e com a China para discutir uma solução para a crise na Venezuela, disse nesta quarta-feira à Sputnik o representante do líder da oposição venezuelana Juan Guaidó nessa organização, Julio Borges.


Sputnik

"Gostaríamos muito de ter contato com a Rússia e a China […] Espero que esta entrevista ajude a abrir a possibilidade de uma conversa franca e honesta com a Rússia e a China", afirmou.


Cúpula do Grupo de Lima não reconheceu a legitimidade do novo mantado presidencial de Nicolás Maduro na Venezuela
Grupo de Lima © REUTERS / Mariana Bazo

Consultado se ele se referia a contatos em nome de todo o Grupo Lima, Borges respondeu: "Correto."

Na terça-feira, Guaidó, presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, nomeou representantes do "governo interino" em vários países, incluindo nos EUA, Canadá, Argentina, Colômbia e no Grupo de Lima.

Em 23 de janeiro, Guaidó foi empossado pela oposição como "presidente da Venezuela", ao ignorar o novo mandato de Nicolás Maduro, argumentando que as eleições de maio de 2018 foram fraudulentas.

As autoridades venezuelanas asseguram que estas eleições foram realizadas de acordo com todos os regulamentos em vigor.

O Grupo de Lima, que reúne 12 países do hemisfério para promover uma "restauração democrática" na Venezuela, realizará uma reunião em Ottawa no dia 4 de fevereiro.

Comentários

Postagens mais visitadas