Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

Guaidó rejeita diálogo com Maduro

Em sua primeira aparição pública desde que disse ter assumido a presidência, líder opositor recusa proposta de México e Uruguai e convoca novos protestos. Maduro reitera estar aberto ao diálogo.


Deutsch Welle

Em sua primeira aparição pública desde que disse ter assumido a presidência interina da Venezuela, o líder opositor Juan Guaidó afirmou nesta sexta-feira (25/01) que não participará de um "falso diálogo" com o presidente Nicolás Maduro para tentar solucionar pacificamente a crise no país.


Juan Guaido
Guaidó rejeita dialogar com Maduro para solucionar crise

"Quando a repressão não lhes dá resultado começam com um falso diálogo. O mundo e o regime devem perceber que para falsos diálogos, aqui, ninguém está interessado", disse Guaidó, destacando que não participará de nenhuma rodada de negociações sem antes ter certeza de que os resultados serão favoráveis.

Guaidó acrescentou também que só está disposto a conversar com Maduro assim que ele deixar de ser "usurpador da presidência" e depois que eleições livres forem convocadas.

A negociação de um acordo entre governo e oposição foi proposta pela México e Uruguai. A iniciativa foi aceita por Maduro, que nesta sexta-feira reiterou estar aberto para participar de uma nova rodada de diálogos e afirmou que está disposto a se encontrar pessoalmente com Guaidó.

Maduro e a oposição venezuelana tiveram uma rodada de negociações no final de 2017 e no começo de 2018, que terminou sem resultados, depois que as partes se acusaram mutuamente de romper os primeiros acordos alcançados, e o antichavismo se negou a assinar um documento de compromissos.

Além de rejeitar o diálogo, Guaidó convocou novos protestos. Ele chamou a população para participar neste sábado de assembleias populares nos 335 municípios para se preparar para uma grande "mobilização" na próxima semana, da qual não ofereceu maiores detalhes.

As concentrações também servirão, segundo disse, para "exercer a maioria forte e poderosa que somos", assim como para "prestar homenagem e tributo às nossas vítimas", em alusão às 26 pessoas que morreram nos protestos antigovernamentais desta semana, segundo números não oficiais.

"Uma ação civil sem precedentes", disse Guaidó, ressaltando que até agora a relação da oposição com os militares foi "áspera" devido aos enfrentamentos nas manifestações antigovernamentais.

Maduro tomou posse há duas semanas para um novo mandato, porém, a oposição e vários governos estrangeiros não reconheceram reeleição do presidente.

A maioria da oposição não participou da eleição realizada no ano passado, seja por considerá-la fraudulenta ou porque seus principais líderes estavam presos ou impossibilitados de concorrer. A presença de observadores internacionais não foi permitida.

Na quarta-feira, depois de uma grande manifestação nas ruas para rejeitar o que consideram uma "usurpação" da presidência por parte de Maduro, Guaidó se proclamou presidente interino do país, sendo reconhecido imediatamente pelos Estados Unidos, Brasil e vários outros países.

Outro bloco, no qual se destacam a China e a Rússia, anunciou que segue apoiando Maduro. Já um terceiro grupo, que tem como destaque a União Europeia, vem mantendo uma posição mais cuidadosa quanto ao reconhecimento de Guaidó, preferindo se limitar a pedir novas eleições no país sul-americano.

Comentários

Postagens mais visitadas