Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

Imagens flagram caderno de Bolton com frase: '5 mil tropas para a Colômbia'

O conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos, John Bolton, escreveu em seu caderno "5 mil tropas para a Colômbia" durante a entrevista coletiva onde a Casa Branca anunciou sanções contra a companhia estatal Petróleos de Venezuela (PDVSA).


EFE

Washington - Em uma ampliação de fotografias tiradas por vários meios de comunicação durante a entrevista, duas inscrições podem ser vistas no caderno de Bolton: a primeira diz "Afeganistão, bem-vindas as negociações" de paz com os talibãs, enquanto a segunda diz "5 mil tropas para a Colômbia".


Resultado de imagem para pdvsa bolton
John Bolton e a anotação sobre envio de tropas dos EUA para a Colômbia | Reprodução

Perguntada pela Agência Efe, a Casa Branca não deu explicações sobre o assunto.

A Colômbia é um dos principais aliados dos EUA na América Latina e seu governo, como o de Donald Trump, reconheceu como presidente legítimo da Venezuela o autoproclamado Juan Guaidó.

Embora Bolton não tenha feito nenhuma menção durante a entrevista sobre esse hipotético envio de tropas para a Colômbia, que faz fronteira com a Venezuela, pediu aos militares venezuelanos que apoiem Guaidó.

"Pedimos aos militares e forças de segurança venezuelanas que aceitem a transição do poder pacífico, democrático e constitucional", disse Bolton, que falou ao lado do secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, que detalhou as sanções contra a PDVSA.

Desde que Guaidó se proclamou na semana passada presidente, os EUA aumentaram sua pressão contra o governo de Nicolás Maduro para que deixe o poder.

As sanções afetam US$ 7 bilhões em ativos da PDVSA nos Estados Unidos e, de acordo com o assessor de Segurança Nacional, John Bolton, provocarão outros US$ 11 bilhões em perdas para a petrolífera ao longo do ano.

Mnuchin, por sua vez, explicou que "com efeito imediato, em qualquer compra de petróleo venezuelano, o dinheiro terá que ir para contas bloqueadas".

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas