Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Jordânia recusa controlar base americana após saída dos EUA da Síria, diz chanceler

O chanceler jordaniano Ayman Safadi disse que seu país não assumirá ou monitorará a base militar americana de Al-Tanf, localizada na fronteira entre a Síria e a Jordânia, pelo fato da instalação estar fora do território jordaniano.


Sputnik

"Não, a área de Al-Tanf pertence à Síria", respondeu Safadi em entrevista à Sputnik, quando perguntado se era possível que a base fosse entregue à Jordânia após a retirada das tropas americanas.


Membros das Forças Especiais dos EUA realizando treinamento durante operações contra grupo Daesh no sul da Síria
CC0 / Staff Sgt. Jacob Connor / 5th Special Forces Group (Airborne)

O ministro das Relações Exteriores da Jordânia destacou que seu país espera que os Estados realizem conversações trilaterais a fim de tomar as medidas necessárias para garantir a segurança na área.

"A Jordânia protegerá suas fronteiras, mas não atravessará o território sírio. O que esperamos é ter novamente uma conversa trilateral que estabeleça acordos que garantam a segurança do outro lado da fronteira", acrescentou o ministro.

Quando perguntado se a Jordânia poderia ser convidada a monitorar a base militar após a saída das tropas dos EUA, Safadi também negou.

"Al-Tanf está do outro lado da fronteira jordaniana. Como eu disse, a Jordânia não vai atravessar sua fronteira. Tomaremos todas as medidas para proteger nossa segurança. Eliminaremos qualquer ameaça à nossa segurança. Mas os acordos sobre o outro lado da fronteira após a saída [dos EUA] terão que ser negociados por todas as partes, e eles têm que garantir a segurança na área", acrescentou.

Já em relação ao campo de refugiados de Rukban, localizado na fronteira sírio-jordaniana, a Jordânia espera que o comboio humanitário da ONU chegue ao acampamento e que as negociações sobre seu desmantelamento com os EUA e a Rússia continuem, para que o as pessoas deslocadas da área possam retornar para suas casas.

Além disso, o ministro também afirma que o campo de refugiados "é uma ameaça à segurança nacional da Jordânia. As operações terroristas que foram planejadas em Rukban e executadas fora do campo mataram soldados jordanianos no passado".

Quanto às relações sírio-jordanianas, Safadi acredita que a nomeação de um encarregado de negócios para a missão diplomática da Jordânia em Damasco é um passo em linha com os esforços do país para pôr fim à crise síria.

"Sempre dissemos que deve haver um papel árabe nos esforços para trazer uma solução política para a crise [síria]. Ter um chefe de missão adjunto em Damasco é consistente com esta posição. Queremos que a crise na Síria termine e continuaremos a fazer tudo o que pudermos para ajudar a alcançar isso. Acabar com a crise é do interesse de todos", disse o chanceler.

Safadi também observou que Amã nunca fechou sua missão diplomática na capital síria apesar do conflito, mas teve que fechar temporariamente a fronteira com a Síria, apenas quando Damasco perdeu o controle sobre ela.

No dia 22 de janeiro, um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Jordânia anunciou que Amã havia nomeado um diplomata para sua embaixada em Damasco, capital onde a Jordânia não tinha embaixador desde 2012. Ambos os países, no entanto, mantiveram suas missões diplomáticas abertas durante toda a guerra.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas