Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

Ministro da Defesa venezuelano: Caracas deve resistir e não hesitar

A lealdade dos militares ao atual governo de Nicolás Maduro foi reafirmada pelo ministro da Defesa da Venezuela, Vladimir Padrino López, que enfatizou que agora é hora de mostrar resistência.


Sputnik

"Não vamos permitir que o mundo, as redes sociais, as declarações extravagantes de governos que pretendem isolar a Venezuela, nos confundam e nos esmaguem. Não é o momento para confusão, não é o momento de hesitar, é momento de resistir", disse o ministro, cuja declaração foi publicada no site do Ministério da Defesa venezuelano.


Vladimir Padrino López, ministro da Defesa da Venezuela (imagem de arquivo)
Vladimir Padrino López © Sputnik / Sergey Mamontov

Padrino López também apelou para que se evite a divisão da sociedade venezuelana, em prol da paz, alertando sobre as consequências de uma possível guerra.

"Conhecemos as consequências da guerra e é por isso que apelamos constantemente à paz, porque no momento em que isso possa acontecer, o que não vai acontecer porque não somos ovelhas, nem estúpidos nem imbecis, não somos, então haverá sangue, morte, enterros e a Venezuela ficará dividida, pronta para ser colocada em uma bandeja de prata para aqueles que querem colocar suas garras em nossas riquezas", afirmou.

Além disso, o ministro da Defesa adicionou que a Venezuela "não deve fazer o gosto a ninguém que tente dividi-la", ou que pretenda quebrar uma instituição fundamental para a paz do país, como é a Força Armada Nacional Bolivariana.

O presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, autoproclamou-se presidente interino da Venezuela no dia 23 de janeiro, enquanto o presidente do país Maduro, que assumiu o segundo mandato no início do ano, classificou a situação como uma tentativa de golpe de Estado, culpando Washington de incitação.

Os EUA e uma série de outros países, inclusive o Brasil, reconheceram Guaidó como presidente da Venezuela. A Rússia e outros Estados, incluindo a China, Turquia, e Irã reafirmaram seu apoio ao atual governo venezuelano.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas