Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA e Rússia revivem a Guerra Fria no Oriente Médio com duas cúpulas

Reuniões paralelas, na Polônia e na Rússia, representaram a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito entre Israel e a Palestina
Juan Carlos Sanz e María R. Sahuquillo | El País
Sochi / Jerusalém - Em 1991, a Conferência de Madri estabeleceu um modelo para o diálogo multilateral no Oriente Médio após o fim da Guerra Fria, que havia colocado Washington contra Moscou na disputa pela hegemonia em uma região estratégica. Transcorridos mais de 27 anos, dois conclaves paralelos representaram nesta quinta-feira em Varsóvia (Polônia) e Sochi (Rússia) a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito israelo-palestino. Os Estados Unidos e a Rússia, copresidentes em Madri em 1991, já não atuam mais como mediadores para aliviar as tensões e, mais uma vez, assumem um lado entre as partes conflitantes.

No fórum da capital polonesa, a diplomacia dos EUA chegou a um impasse ao reunir mais de 60 países em uma reu…

Moscou: nova Estratégia de Defesa dos EUA revive corrida armamentista da Guerra Fria

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia reagiu à nova Estratégia de Defesa antimísseis dos EUA, apresentada por Donald Trump na última quinta-feira.


Sputnik

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia declarou nesta sexta-feira que a nova Estratégia de Defesa antimísseis de Washington levará a uma perigosa corrida armamentista no espaço e equivale a um relançamento do programa Guerra nas Estrelas da era da Guerra Fria.


O embaixador da Rússia nos EUA, à época ministro da Defesa da Rússia, Anatoly Antonov, fala em um briefing no Ministério da Defesa em Moscou (foto de arquivo)


"Ao contrário das afirmações dos autores do estudo, a realização dos planos e abordagens que ele contém não fortalecerá a segurança dos Estados Unidos ou de seus aliados e parceiros", declarou a chancelaria russa.

Em um comunicado, o ministério descreveu o plano dos EUA como um confronto e disse que isso representaria um golpe para a já frágil estabilidade internacional.

Moscou pediu que Washington repense e se envolva com a Rússia em conversas construtivas sobre o equilíbrio de armas nucleares "antes que seja tarde demais".

O novo documento sobre a Estratégia de Defesa dos EUA, apresentado pelo presidente dos EUA, Donald Trump, na quinta-feira, afirma que Coreia do Norte, Irã, Rússia e China, "representam uma ameaça" para Washington. Além disso, o estudo reconhece o espaço como um "novo domínio de guerra".

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas