Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

Oposição na Venezuela apela ao Exército para deter Maduro

Novo chefe do Parlamento declara líder chavista ilegítimo


Alonso Moleiro | El País


Caracas - A Assembleia Nacional da Venezuela, dominada pela oposição ao regime de Nicolás Maduro, elegeu no sábado seu novo presidente, Juan Guaidó, do Vontade Popular, o partido do dirigente Leopoldo López, em prisão domiciliar. Guaidó declarou como “ilegítimo” o mandatário e considerou “quebrada e usurpada a cadeia de comando” nas Forças Armadas — principal sustentação de Maduro—, a quem pediu para que apoiem os esforços para “restabelecer a democracia” no país. A deputada Delsa Solórzano negou depois que o pedido de apoio às Forças Armadas seja para “dar um golpe de Estado”.

Juan Guaidó, novo presidente da Assembleia venezuelana.
Juan Guaidó, novo presidente da Assembleia venezuelana. REUTERS

Maduro se dispõe a assumir na quinta-feira seu segundo mandato de seis anos como presidente da República Bolivariana, investidura que já foi vetada na sexta-feira pelos principais Governos da região reunidos no Grupo de Lima, em uma declaração que o México não assinou. Em seu discurso inaugural, Guaidó se comprometeu a “gerar as condições para um Governo de transição”, e convocar “eleições livres”. Foram eleitos como vice-presidentes da Assembleia Edgar Zambrano, do Ação Democrática, e Stalin González, do Um Novo Tempo.

Guaidó foi presidente da comissão de Controladoria da Assembleia Nacional durante dois anos e é um feroz crítico de Maduro. Seu gabinete foi responsável por adiantar as investigações dos múltiplos casos de corrupção do chavismo, que foram todos engavetados pelo controle que o Governo tem do restante das instituições do país. Zambrano e González são dois deputados de linha moderada.

A nova direção do Parlamento se forma poucos dias antes da posse de Nicolás Maduro em 10 de janeiro. Maduro foi proclamado vencedor pelo Conselho Nacional Eleitoral, controlado pelo chavismo, nas eleições presidenciais de 20 de maio. A eleição foi boicotada pela oposição e não foi reconhecida pela maioria da comunidade internacional.

Em seu discurso inaugural, Guaidó reconheceu que os partidos oposicionistas “têm uma dívida com a nação”, por não conseguir o objetivo de restaurar a ordem constitucional, e traçou três objetivos: o fim da usurpação, um governo de transição e a posterior convocação a eleições livres para combater a crise humanitária no país. Guaidó disse que Maduro liderará, a partir de 10 de janeiro, “um governo ilegítimo”; o chamou de “ditador” e afirmou que seu regime político é “miserável”. O dirigente fez uma convocação “à luta para todas as pessoas que acham que essa miséria não é a única forma de viver” e incluiu “os militares, que também são cidadãos e sofrem os mesmos problemas e seus salários não bastam para viver”.

Após a oposição conseguir a maioria das cadeiras da Assembleia, o Supremo Tribunal a declarou em desacato, de modo que suas ações são consideradas nulas e Maduro não vai à Câmara desde 2016. Como poder paralelo, o mandatário estabeleceu uma Assembleia Constituinte sob seu controle, mas que não avançou nada na reforma da Constituição que justificou sua criação.

De manhã bem cedo, antes do início da cerimônia, funcionários do Sebin (Serviço Bolivariano de Inteligência), a polícia política do chavismo, ocuparam as instalações do Palácio Federal Legislativo e informaram que encontraram uma granada na entrada do hemiciclo. A notícia causou certa comoção inicial, mas não produziu maiores consequências. Alfonso Marquina, integrante da diretoria em final de mandato, sequer fez comunicado para confirmar a informação.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas