Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

Presidente bielorrusso apela para que se acabe com 'mal-entendido' em Donbass

O presidente da Bielorrússia Aleksandr Lukashenko se manifestou durante o encontro com o representante de Kiev nas negociações sobre Donbass, Viktor Medvedchuk, por uma resolução mais rápida do conflito no Leste da Ucrânia.


Sputnik

"Esse mal-entendido, não pode ser chamado de outro modo, deve acabar […] São repúblicas e povos irmãos […] Estamos dando aos nossos inimigos e rivais um presente com as nossas próprias mãos", declarou ele.


Artilharia ucraniana em Donbass, foto de arquivo
Artilharia ucraniana em Donbass © AP Photo / Petr David Josek

Medvedchuk, por sua vez, assinalou o papel da Bielorrússia e pessoalmente de Lukashenko na resolução pacífica do conflito em Donbass.

Ele sublinhou que a parte bielorrussa concedeu um palco para conversações e que os acordos de Minsk continuam sendo considerados como o único plano para uma resolução pacífica. Ao mesmo tempo o político ucraniano disse que infelizmente eles não estão sendo cumpridos.

"Para muito ucranianos que querem a paz em Donbass, Minsk virou não apenas um palco do fraternal e amistoso povo bielorrusso, mas também uma esperança que a resolução pacífica afinal seja obtida", ressaltou.

Um mês atrás Lukashenko declarou que a sua proposta sobre o controle da fronteira russo-ucraniana e realização de eleições em Donbass não encontrou apoio, particularmente do presidente ucraniano Pyotr Poroshenko.

"Eu já estava pronto para ficar nessa fronteira como guarda fronteiriço, considerando que tanto os russos como os ucranianos têm boas relações comigo, e realizar lá eleições em conformidade com os acordos de Minsk", afirmou o presidente da Bielorrússia.

As autoridades ucranianas rejeitaram a proposta de Lukashenko. Entretanto, é necessário avançar mais rapidamente para uma resolução pacífica, para prevenir o desenvolvimento descontrolado da situação, segundo o líder bielorrusso. Ele acrescentou também que na região já há militares da OTAN, com quem, na opinião dele, é mais fácil negociar que com "nazistas".

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas