Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares revelam como suas vidas foram destruídas pelo Exército dos EUA

O Twitter oficial do Exército dos EUA realizou uma pesquisa para averiguar como o serviço impactou a vida de seus militares.
Sputnik

Atualmente, mais de 9.000 pessoas já compartilharam suas opiniões. Apesar de constatarem que o serviço no Exército fortalece fisicamente e emocionalmente as pessoas, dando algum sentido às suas vidas e abrindo perspectivas profissionais, há muitos outros comentários com declarações céticas e críticas sobre a influência do Exército dos EUA no mundo, no país e na sua vida pessoal.

Várias pessoas compartilharam histórias de seus familiares que cometeram suicídio, sofreram de transtorno por estresse pós-traumático, passaram por mudanças radicais de caráter e comportamento ou deixaram de ser saudáveis depois de participarem em ações militares dos EUA.

Além disso, há aqueles cujos familiares ou eles próprios foram abusados durante o serviço.

Outros usuários recordaram que os horrores da guerra deixam cicatrizes na mente.

Diversos outros usuários da rede social compa…

Putin discute conflito sírio e saída de tropas americanas com Benjamin Netanyahu

O presidente russo, Vladimir Putin, e o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, discutiram nesta sexta-feira a situação na Síria, à luz dos planos de Washington de retirar suas tropas do país, informou o serviço de imprensa do Kremlin.


Sputnik

"A discussão se concentrou no desenvolvimento da situação na Síria, especialmente à luz da intenção declarada dos EUA de retirar suas tropas daquele país", disse o serviço de imprensa em um comunicado. "Os lados enfatizaram a necessidade de derrotar completamente o terrorismo na Síria e acelerar o progresso no caminho da colonização política no país", finaliza a nota.


Vladimir Putin e Benjamin Netanyahu durante encontro em Moscou
Benjamin Netanyahu e Vladimir Putin © Sputnik / Mikhail Klimentyev

Os Estados Unidos decidiram deixar a Síria após uma conversa entre o presidente americano, Donald Trump e o homólogo turco, Recep Erdogan. A ordem repentina enfureceu o então secretário de Defesa, James Mattis que renunciou ao cargo em seguida. Aliados dos EUA na Coalizão também demonstraram descontentamento, alegando sobre a possibilidade do Daesh (grupo terrorista autodenominado Estado Islâmico, proibido na Rússia e em vários outros países) reconquistar territórios perdidos.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas