Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

Qual a possibilidade de haver uma guerra civil na Venezuela?

O surgimento de manifestações de lados opostos na Venezuela poderia levar a uma guerra civil, afirma Fan Heshen, diretor do Instituto da América Latina da Universidade de Anhui (China), em entrevista à Sputnik.


Sputnik

Segundo o analista, devido à atual situação interna do país latino-americano, se ambos os lados do conflito não mostrarem prudência, as chances de as tensões piorarem são grandes.


Forças de segurança da Venezuela encaram confronto com partidários da oposição que participam de uma manifestação contra o governo do presidente venezuelano Nicolás Maduro, 23 de janeiro de 2019
© REUTERS / Carlos Eduardo Ramirez

"A julgar pela situação atual, o exército apoia Maduro. No entanto, a forte pressão das forças externas e a difícil situação econômica no país podem levar a uma grave crise. Se os dois lados não mostrarem moderação, é muito provável que isso resulte em uma guerra civil. Isso será catastrófico para a Venezuela", disse o especialista.

"Como resolver a crise política pacificamente, sem usar a violência, resolver uma crise semelhante a uma guerra civil é a maior prova para a Venezuela."

Para Heshen, a intervenção ativa dos Estados Unidos, bem como a mudança gradual "para a direita" de alguns países do Grupo de Lima, está exercendo uma pressão considerável sobre a Venezuela, onde um confronto entre o parlamento e o governo vem ocorrendo já há cerca de dois anos.

"Se o partido da oposição não tivesse recebido apoio do exterior, não teria conseguido ir adiante, porque Guaidó não controla as Forças Armadas […] O fato de ele ter decidido agora se declarar presidente, é uma evidência de que ele certamente recebeu algum apoio", afirma o diretor.

O analista concluiu que essa intervenção externa causou uma "violação do equilíbrio temporário no país, e se tornou uma ameaça ainda maior para a situação política interna na Venezuela".

Na quarta-feira (23), o líder da oposição venezuelana, Juan Guaidó, declarou-se chefe de Estado interino. Até o momento, Guaidó foi reconhecido como presidente interino por 13 países: Estados Unidos, Canadá, Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, Panamá, Paraguai e Peru e Geórgia.

Comentários

Postagens mais visitadas