Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Diretor de Projetos da Marinha do Brasil diz que Programa Tamandaré não será afetado por cortes no orçamento

Convidado para falar a empresários catarinenses durante a reunião do Comitê da Indústria da Defesa (Comdefesa), da Fiesc, o vice-almirante Petronio Augusto Siqueira de Aguiar, diretor de Projetos da Marinha do Brasil, garantiu na manhã desta quinta-feira que o bloqueio de verbas do governo federal não vai afetar o andamento do projeto de construção de quatro navios da Marinha em Itajaí.
Poder Naval

Ele confirmou que o recurso previsto para a empreitada, de R$ 2,5 bilhões, está contingenciado – mas acredita que isso será revertido no segundo semestre. – Esse projeto não tem volta. O Brasil e a Marinha precisam modernizar a frota – afirmou.

A Marinha foi a principal atingida pelo bloqueio de verbas no setor de Defesa, que soma R$ 13 bilhões. O recurso para as corvetas está com a Emgepron, empresa de projetos da Marinha que negocia os termos do contrato com o consórcio Águas Azuis, vencedor da concorrência pública para construção das embarcações.

O grupo tem entre as consorciadas a alemã Thys…

Trump ameaça arrasar economia da Turquia se país atacar os curdos na Síria

Em mensagem no Twitter, presidente americano também disse que curdos não devem provocar governo turco. Americanos anunciaram retirada de tropas na Síria.


EFE

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, advertiu neste domingo (13) que "arrasará economicamente" a Turquia, caso o país ataque os curdos, aos quais também advertiu que não devem provocar o governo turco.

Soldados dos EUA patrulham área durante ação conjunta em Manbij, na Síria, em 1º de novembro de 2018 — Foto: Courtesy Zoe Garbarino/U.S. Army/Handout via Reuters
Soldados dos EUA patrulham área durante ação conjunta em Manbij, na Síria, em 1º de novembro de 2018 — Foto: Courtesy Zoe Garbarino/U.S. Army/Handout via Reuters

A relação entre os dois membros da Otan tem se desgastado devido ao apoio dos EUA à milícia curda YPG, que a Turquia considera terrorista e vê como uma extensão do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) que trava uma insurgência de décadas em solo turco.

"Arrasaremos a Turquia economicamente se atacarem os curdos", escreveu Trump em mensagem na sua conta do Twitter, para depois acrescentar que, "do mesmo modo, não quero que os curdos provoquem a Turquia".

O presidente americano disse ainda que já começou a retirada das tropas americanas na Síria, enquanto atacam "com força o pequeno califado territorial restante" do grupo Estado Islâmico (EI).

Retirada de soldados da Síria

Os Estados Unidos começaram no sábado os procedimentos para retirar seus 2 mil soldados do país árabe.

Trump afirmou também na sua mensagem que Rússia, Irã e Síria "foram os maiores beneficiados da política de longo prazo dos Estados Unidos de destruir o EI na Síria", embora tenha admitido que "também nos beneficiamos, mas agora é o momento de trazer nossas tropas".

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, havia afirmado horas antes que está "otimista" sobre a possibilidade de chegar a um "bom resultado" para o conflito entre a Turquia e as milícias curdas da Síria.

Em uma mesa-redonda realizada em Abu Dhabi com jornalistas que lhe acompanham na sua viagem pelo Oriente Médio, Pompeo reconheceu no domingo que o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, tem "direito" a "defender seu país dos terroristas", mas ressaltou que as milícias curdo-sírias Unidades de Proteção do Povo (YPG) "não são terroristas" e "merecem ser protegido".

"Ainda restam muitos detalhes a resolver, mas estou otimista que podemos conseguir um bom resultado ali", comentou.

Turquia e os curdos

Erdogan anunciou em dezembro que pretende lançar uma ofensiva no norte da Síria contra as YPG, grupo que considera terrorista pelos seus vínculos com a guerrilha curda da Turquia, o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).

Por sua vez, os Estados Unidos são o principal aliado das YPG na sua ofensiva contra o EI.

A retirada das tropas americanas não foi bem recebida pelas milícias curdas, que consideram que o EI não foi vencido totalmente e também temem ficar em uma situação de indefensabilidade diante das ameaças da Turquia.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas