Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

Trump não descarta uso de força militar na Venezuela, diz senador

O senador Lindsey Graham, membro do Partido Republicano, afirmou que o presidente dos EUA, Donald Trump, discutiu com ele a possibilidade de usar a força militar na Venezuela há algumas semanas.


Sputnik

A Venezuela está passando por uma crise política, e o atual presidente do país, Nicolás Maduro, tem acusado reiteradamente Washington de orquestrar um golpe de Estado no seu país.


Soldados do Exército dos EUA pertencentes ao 1º Pelotão, Able Troop 3-71 Cavalry Squadron e membros da Guarda Nacional da Carolina do Sul. (Arquivo)
Militares dos EUA © AP Photo / Dario Lopez-Mills

"Ele [Trump] disse: 'O que você acha de usar a força militar?' e eu disse: 'Bem, você precisa ir devagar, isso pode ser problemático'. E ele disse: 'Bem, estou surpreso, você quer invadir todo mundo', afirmou Graham ao site de notícias Axios sobre sua conversa com o presidente dos EUA, que aconteceu há algum tempo.

Segundo Graham, a força militar deve ser usada apenas quando os interesses de segurança nacional dos EUA forem comprometidos. O senador acrescentou que Trump era "muito agressivo" em relação à Venezuela.

Citando altos funcionários do governo de Trump, o site de notícias informou que não houve sinais de que Washington realmente planejasse invadir a Venezuela, uma vez que o presidente norte-americano apenas queria acelerar a mudança de regime no país latino-americano devido a motivos econômicos e diplomáticos.

Em 23 de janeiro, o conflito entre o governo e a oposição na Venezuela se agravou, quando o presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, se autoproclamou presidente interino do país. Os EUA e vários outros países reconheceram Guaidó. Por sua vez, Maduro acusou Washington de organizar um golpe e disse que Caracas está rompendo relações diplomáticas com os EUA.

As relações entre os Estados Unidos e a Venezuela têm sido tensas desde há muito tempo. Em agosto de 2017, Trump comentou que não descartaria uma "opção militar" para acabar com o caos na Venezuela.

A Rússia apoiou Maduro como presidente legítimo da Venezuela e demonstrou sua disposição de se tornar mediadora no estabelecimento de relações entre as autoridades e a oposição na Venezuela, se tais esforços forem considerados necessários.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas